Comissão Europeia não vai analisar queixa do fundo Doyen

| Futebol Internacional

Legenda da Imagem
|

A Comissão Europeia não vai analisar uma queixa contra a proibição da FIFA de existirem terceiras partes nos passes de futebolistas, uma questão levantada pelo fundo de investimentos Doyen.

Numa carta dirigida ao fundo, sediado em Malta, os responsáveis da Comissão referem que a mesma "não pretende levar a cabo qualquer inquérito em relação às suas alegações".

Em causa está uma queixa da Doyen e do clube belga Seraing, com a argumentação de que as proibições da FIFA em relação aos detentores de terceiras partes violam as leis europeias da concorrência.

A Comissão Europeia rejeitou esse ponto de vista, considerando que os `fundos` criam conflitos de interesse entre clubes, futebolistas e investidores.

A FIFA e a UEFA têm trabalhado no sentido de impor proibição aos fundos, impedindo que os futebolistas se transfiram apenas para gerarem lucro, no sentido de manterem a integridade do jogo.

A UEFA entende mesmo que "é imoral e ilegal" a negociação de direitos económicos dos jogadores.

 

 

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.