Infantino insiste no videoárbitro, após golo `fantasma` do Panamá

| Futebol Internacional

|

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, afirmou quinta-feira que “chegou o momento” de adotar o vídeoárbitro (VAR), após o golo ilegal que deu a vitória ao Panamá e deixou os Estados Unidos fora do Mundial2018 de futebol.

Na última jornada de qualificação da zona da CONCACAF, da América do Norte, Central e Caraíbas, o Panamá venceu a Costa Rica por 2-1, com o primeiro golo a resultar num lance em que a bola não ultrapassou a linha de golo.

A seleção panamiana acabou por ganhar o jogo por 2-1 e terminar a zona de apuramento em terceiro, com apuramento direto para a Rússia, relegando as Honduras para um ‘play-off’ e eliminando os Estados Unidos, derrotados em Trindade e Tobago.

“Quando se joga a qualificação para o Mundial e o jogo é decidido com um erro importante de interpretação do árbitro - o que pode acontecer porque os árbitros são seres humanos e cometem erros como todos -, é chegado o momento de retificar isso”, disse Gianni Infantino.

O responsável máximo da FIFA deu o exemplo em Lyon, à margem da cerimónia de apresentação do Mundial feminino de 2019.

Gianni Infantino já defendeu várias vezes a utilização do VAR, mas a situação verificada na última jornada de apuramento para o Mundial levou à insistência do dirigente, entendendo que se trata “de um passo em frente”.

“Estamos preparados para o pôr em prática. Ainda temos que tomar a decisão, não há nada de negativo nos testes que temos feito. Cada vez que foi utilizado, ou confirmou a decisão ou corrigiu”, justificou.

A informação mais vista

+ Em Foco

"Governar Portugal", sustentou o novo líder social-democrata no discurso de encerramento do 37.º Congresso do PSD, passa por "ter as pessoas como centro e razão da ação".

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.