Karim Benzema diz que "os grandes jogadores são sempre criticados"

| Futebol Internacional

|

O futebolista francês Karim Benzema, do Real Madrid, disse que os "grandes jogadores são sempre criticados" e que as críticas que tem recebido esquecem que fez parte "da frente de ataque mais rápida e goleadora do mundo".

"Muitas pessoas esquecem-se das coisas passado seis meses ou um ano. Eu e Gareth Bale fizemos parte da frente de ataque mais rápida e goleadora do mundo. Agora somos maus. Num clube como o Real, é habitual. Mas com Bale e Cristiano Ronaldo, vivi anos muito bonitos. Gostaria de ficar na história por ter integrado este ataque", assinalou o avançado francês, em entrevista à Vanity Fair.

Frequentemente criticado por marcar poucos golos (leva nove marcados em 38 jogos esta temporada), o francês de 30 anos disse não ler a imprensa, mas confessou não gostar quando é criticado quando joga "bem, para a equipa, mesmo não marcando".

Em conferência de imprensa, o treinador dos 'merengues', o francês Zinedine Zidane, disse que o avançado "tem um bloqueio" com as balizas, mas que este encontrará a solução "em breve".

"Todos sabemos da qualidade de Benzema e tudo o que pode trazer à fluidez da equipa, no que diz respeito a isso não há problema nenhum nem estamos preocupados (...). Quanto aos golos, tem de marcá-los e ele sabe-o. Mesmo sabendo fazer outras coisas, como combinar com os outros, tem de marcar", atirou.

No Real Madrid desde 2009, Benzema explicou que joga futebol "para ajudar os companheiros a vencer" e para ganhar títulos, e admitiu sentir "toda a confiança" do treinador e afirmou não se importar com os assobios da bancada, porque os adeptos "que vão ao estádio para assobiar, vão sempre assobiar".

O avançado recordou ainda um episódio com o presidente do clube, Florentino Pérez, que o recebeu pessoalmente e deu "muito carinho" depois de, em 2010, um jornal ter dito que o francês estava "morto".

Sobre a ausência da seleção francesa, depois de ter sido implicado numa alegada chantagem do compatriota e colega de seleção Mathieu Valbuena, o antigo jogador do Lyon admitiu que já não espera ser chamado para o Mundial2018 pelos vice-campeões europeus e não pretende tomar a iniciativa de falar ao selecionador, Didier Deschamps.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.