Koeman lamenta decisão de Bas Dost de renunciar à seleção holandesa

| Futebol Internacional

|

O selecionador da Holanda de futebol lamentou a decisão de Bas Dost de não voltar a representar a equipa nacional, mas mostrou-se satisfeito com o facto de o avançado do Sporting lhe ter comunicado a resolução pessoalmente.

"Bas falou comigo pessoalmente, acho que isso é bom. Lamento que ele queira parar, certamente ainda havia um papel para ele na equipa nacional", disse Ronald Koeman em declaração ao jornal holandês AD, o mesmo ao qual o avançado 'leonino' anunciou a decisão.

Koeman lembrou que, quando assumiu a seleção, há pouco mais de dois meses, disse que gostaria de utilizar Bas Dost nos primeiros jogos.

Numa entrevista publicada hoje no AD, Bas Dost disse que não está disponível para voltar a representar a seleção da Holanda, na qual sente que "simplesmente não funciona".

"Nunca correu bem com a seleção, por qualquer motivo. Cheguei ao momento em que tenho de dizer 'até aqui e não mais longe'. Simplesmente não funciona", acrescentou o avançado que em março, jogou 66 minutos frente à Inglaterra (derrota por 1-0) e foi suplente não utilizado frente a Portugal.

Ronald Koeman garantiu que vai respeitar a decisão de Bas Dost e que percebe que o jogador tem "essa sensação há algum tempo".

Depois de se estrear em 2015 pela 'laranja', Dost alinhou em 18 jogos pela equipa principal do seu país, com apenas um golo marcado, numa vitória sobre o País de Gales (3-2), num particular.

Segundo o antigo jogador de Wolfsburgo e Heerenveen, a decisão foi "discutida com pessoas próximas" e, tendo sido já "pensada há bastante tempo", é final, mesmo que seja "difícil de perceber porque é que nunca resultou".

O avançado chegou ao Sporting em 2016, proveniente dos alemães do Wolfsburgo, e desde então apontou 68 golos em 84 jogos oficiais pelos 'leões', incluindo 59 tentos em 57 jogos na I Liga.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.