Rússia não quer imaginar um Mundial sem o argentino Lionel Messi

| Futebol Internacional

|

O vice-primeiro-ministro e presidente da Federação russa de futebol, Vitali Mutko, disse sexta-feira que não pode imaginar um Mundial sem a participação do internacional argentino Lionel Messi.

"Não quero imaginar. Vi o jogo de ontem [na madrugada de hoje] e Messi até acertou no poste, com um dos seus remates", referiu à imprensa russa o dirigente, em alusão ao jogo da zona sul-americana em que a Argentina empatou sem golos com o Peru.

Mutko assinalou que a equipa treinada por Jorge Sampaoli ainda "tem oportunidade" de se qualificar diretamente, mas que precisa de vencer em Quito o Equador.

Na zona de qualificação da CONMEBOL, o Brasil é o único já qualificado, e a uma jornada do final o Uruguai é segundo (28 pontos), o Chile terceiro (26), a Colômbia quarta (26), o Peru quinto (25), a Argentina sexta (25) e o Paraguai sétimo (24).

A Argentina visita na madrugada de quarta-feira o Equador, oitavo, numa jornada decisiva em que Peru e Colômbia, seleções acima de si, se defrontam.

A qualificação sul-americana apura os quatro primeiros para o Mundial2018, enquanto o quinto classificado jogará um 'play off' com a Nova Zelândia, vencedora da zona de apuramento da Oceânia.

A Argentina, campeã mundial em 1978 e 1986, conta com 16 participações em 20 edições de Mundiais, não tendo participado no França1938, Brasil1950, Suíça1954 e México1970.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Em entrevista à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o ministro do Trabalho e da Segurança Social considera que a apresentação da moção de censura não vai trazer mudanças significativas.