Futebol de Lés a Lés

| Futebol Nacional
Futebol de Lés a Lés

O Campeonato de Portugal terá novo formato na época de 2017/18.

Esta divisão passará a ter apenas uma fase regular, com menos séries mas cada uma com maior número de clubes: 16 em cada uma das 5 séries.

A subida nesta prova passará a ser discutida em sistema de “play-off” entre os cinco primeiros de cada série e os três melhores segundos classificados.

Os clubes apurados discutirão, quartos de final, meias-finais e final para encontrar o vencedor final do campeonato.

A final será discutida em campo neutro e os dois finalistas garantem, automaticamente, a subida à II Liga.

Serão despromovidos aos campeonatos distritais os seis últimos classificados de cada série.

O formato definitivo será implementado em 2018/2019.

Terminou o campeonato da época 2016/17que sagrou como vencedor o Real Sport Clube, de Massamá, e a hora é de olhar para a competição que aí vem.

Nas últimas 10 temporadas só um clube bisou o triunfo, em 2006/07 e 2013/14: o Sport Clube Freamunde.

Miguel Pacheco é o presidente do clube da terra dos capões e, nesta edição de Futebol de Lés a Lés revela as vantagens e desvantagens que, em sua opinião, poderá ter este novo formato.

O dirigente falou da competitividade que a competição pode ter pela proximidade geográfica dos clubes e a melhoria nas receitas.

O dirigente fez ainda uma abordagem às expetativas que podem ser criadas sobre os apoios federativos que podem chegar aos clubes.

Miguel Pacheco, presidente do Sport Clube Freamunde, está na hora zero do próximo Campeonato de Portugal, e os clubes já começam a olhar para a competição.

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

    É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

    Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.