Futebol de Lés a Lés

| Futebol Nacional
Futebol de Lés a Lés

Sanjoanense organiza-se para voltar à ribalta do futebol português.

A histórica Associação Desportiva Sanjoanense vive dias tranquilos na Série B do Campeonato de Portugal.

Nesta edição de Futebol de Lés a Lés o treinador Fernando Pereira disse acreditar que com “competência, trabalho, humildade e vontade de evoluir” é possível colocar de novo a equipa entre a elite do futebol nacional.

Sobre a atual equipa o técnico fez a seguinte leitura: “Foi formada de uma forma atípica com muitas dificuldades em termos financeiros e de constituição do plantel. Com rigor formamos um grupo jovem e competitivo”.

Qualidade e compromisso são palavras utilizadas pelo líder do grupo para sustentar a ambição demonstrada.

Ao olhar para o futuro Fernando Pereira destacou: “Uma massa adepta forte e apaixonada, capaz de ajudar a organizar o clube de forma a enfrentar desafios de grau de dificuldade mais elevada”.

A Sanjoanense está a viver um período de transformação. Entraram pessoas novas e está a ser montada uma estrutura nas camadas de formação, capaz de criar os alicerces para o futuro, revelou o treinador.

Fernando Pereira, treinador da equipa principal de futebol dos alvinegros de São João da Madeira… os sucessores de António Veloso, António Sousa ou recuando mais alguns anos de Saturnino, Ferreira Pinto, Carlitos e Manaca, entre outros.

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.