Nós Lá Fora

| Futebol Nacional
Nós Lá Fora

Foto: DR

Carlos Miguel trabalha há dezassete anos no futebol de formação do FC Mönchengladbach, a academia de formação do Borússia da mesma cidade. Já nasceu na Alemanha, filho de emigrantes oriundos da região de Castelo Branco.

Começou a praticar futebol aos seis anos. Ainda se recorda da prenda que recebeu quando fez 12 anos, um treino na formação do Benfica.

Esteve três semanas a treinar com Nené, o Benfica propôs-lhe que fosse para o Torralta para acompanharem a sua evolução.

Carlos Miguel regressou, no entanto, à Alemanha.

Aos dezanove anos jogava no SC Bayer Uerdingen, clube que então militava na Bundesliga.

Uma lesão no joelho impediu-o de concretizar o sonho de integrar a equipa principal do clube. Passou a treinador, atualmente orienta há seis anos a geração de 2005 do FC Mönchengladbach.

Carlos Miguel revela-nos algumas diferenças entre a formação na Alemanha e em Portugal, por exemplo, os clubes da 1ª divisão só podem ter 18 jogadores em cada escalão e as academias 20, há clubes que não aceitam jogadores que residam a mais de 30 quilómetros do local de treino.

Cristiano Ronaldo é apontado como referência para os jovens alemães. Carlos Miguel recorda-nos uma máxima: só talento não chega, para ter sucesso no futebol é necessário muito trabalho.

Carlos Miguel vem quase todos os anos a Portugal e em 2019 vai regressar.

Os seus jogadores, atualmente com 12 anos, já participaram em Torneios em Castelo de Vide, Vila Real de Santo António, Madeira e Açores.

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.