Treinador do Caldas acredita que equipa pode chegar ao Jamor

| Futebol Nacional

|

O treinador do Caldas admitiu que as probabilidades de vitória estão do lado do Desportivo das Aves, mas que a equipa acredita que se for a grandes penalidades pode chegar à final da Taça de Portugal.

“Sabemos que não é uma tarefa fácil, mas vamos fazer tudo para que o lema 'ninguém passa na Mata' seja uma realidade", afirmou hoje José Vala, admitindo a ambição de vencer a segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal de futebol, apesar de “as probabilidades provavelmente estarem do lado do Desportivo das Aves”.

Na conferência de imprensa de antevisão da partida, que se disputa às 18:30 de quarta-feira, José Vala afirmou que a equipa “já é vencedora”, depois de “uma época memorável, que vai ficar na história”, mas o Caldas “quer mais e vai tentar fazer por isso”.

Para isso, o treinador manteve a preparação habitual para os jogos anteriores e fez na segunda-feira “um treino mais virado para o jogo do Aves” e espera receber dos adeptos e da população quem tem apoiado a equipa “a grande motivação”.

Dos 23 jogadores, todos estão “aptos” a defrontar o Aves, divulgou o treinador, sem esconder que lhe “vai custar deixar cinco de fora, porque qualquer jogador gostaria de estar presente, nem que fosse sentado no banco”.

Com os jogadores “motivados”, “focados” e a “acreditar” que podem chegar ao Jamor, José Vala intensificou hoje o treino das grandes penalidades, convicto de que se chegar às grandes penalidades, o Caldas sairá vencedor, como aconteceu com o Arouca e a Académica.

“Se tivermos que passar a eliminatória da forma mais difícil, que são as grandes penalidades, estamos preparadíssimos”, disse José Vala.

O Caldas defronta, a partir das 18:30 de quarta-feira, o Desportivo das Aves, na segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal de futebol, depois de em casa do adversário ter sido derrotado por 1-0.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.