Benfica diz que está a acompanhar situação clínica de Célio Dias

| Judo

Legenda da Imagem
|

O Benfica assumiu esta quarta-feira que está a acompanhar a situação clínica do judoca Célio Dias, e quer proteger o atleta da exposição pública.

“O clube tem acompanhado a situação clínica do atleta e dado todo o apoio possível. No entanto, o Benfica entende que, neste momento, a prioridade total é proteger Célio Dias e mantê-lo longe dos holofotes, pelo que não terá, para já, qualquer outra iniciativa de comunicação sobre o assunto”, disse fonte do clube ‘encarnado’ à agência Lusa.

O judoca olímpico, que defende as cores do clube da Luz, publicou vários textos na segunda-feira que causaram preocupação, em que, entre outras coisas, dirigia acusações ao Benfica, ao Comité Olímpico de Portugal e à Federação Portuguesa de Judo, e tocava assuntos da sua vida privada.

Já depois dos Jogos Olímpicos Rio2016, Célio Dias passou por uma depressão, numa altura em que também tentava ultrapassar uma lesão. Recentemente, o atleta português foi nono classificado nos Mundiais de judo, que decorreram em Budapeste, na categoria de -90kg.

Citado pelo jornal Record, o presidente do COP, José Manuel Constantino, afirmou que o organismo está a acompanhar o processo: "Precisa do nosso apoio e tem sido apoiado. Tem de se resolver o seu problema de saúde para que tenha bem-estar. Infelizmente, houve uma reversão do seu estado, mas estamos a acompanhar a situação", afirmou.

O presidente da FPJ, Jorge Fernandes, manifestou também ao diário desportivo que a federação apoia o judoca: "O Célio tem o nosso apoio. O seu discurso preocupa, mas estamos em contacto com o Benfica para saber o que se está a passar. Que eu saiba, nada lhe foi diagnosticado, embora tenha recebido apoio psicológico depois dos Jogos."

Tópicos:

Benfica, Judoca, Célio Dias,

Pesquise por: Benfica, Judoca, Célio Dias,

A informação mais vista

+ Em Foco

O editor de Política Internacional da RTP, Ricardo Alexandre, comentou a sentença do antigo general sérvio-bósnio.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.