Ligas de Portugal e Espanha celebram acordo de colaboração mútuo

| Espanha

|

As Ligas de futebol de Portugal e Espanha celebraram esta quarta-feira um acordo, a cuja síntese a agência Lusa teve acesso, para a promoção internacional dos dois organismos e colaboração em matéria de controlo financeiro e responsabilidade social.

A Liga espanhola vai assessorar a congénere portuguesa no desenvolvimento de um programa de controlo financeiro, como já sucede em Espanha, "com o objetivo de assegurar maior transparência económica e financeira no futebol português, bem como na gestão dos clubes que o integram".

No acordo estabelecido entre os líderes dos dois organismos, Pedro Proença e Javier Tebas, está prevista a realização de seminários, com vista ao intercâmbio de informação em matéria financeira entre clubes portugueses e espanhóis.

Outros dos pontos relevantes passa pelo reforço da internacionalização das competições profissionais dos dois países, num esforço conjunto que se estende às áreas da direção desportiva, marketing, administração, segurança e combate à fraude desportiva.

"Ambas as instituições trabalharão em matéria de arbitragem profissional, para se manterem em sintonia com a evolução do futebol profissional", numa área em que Portugal foi pioneiro, com a introdução do vídeoárbitro, na época 2017/18.

A nível dos escalões de formação, a Liga portuguesa vai colaborar no torneio infantil organizado anualmente em Espanha, existindo a possibilidade de estabelecer "academias de excelência" da Liga espanhola em território nacional.

A parceria prevê também que o organismo de clubes português seja assessorado pelo espanhol na criação de uma fundação e no desenvolvimento de projetos sociais.

Tópicos:

Proença,

Pesquise por: Proença,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.