COP confia nos 50 km marcha em Tóquio`2020

| Outras Modalidades

Inês Henriques é um trunfo português para Tóquio'2020
|

O presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP) considerou "muito positivo" que a Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) tenha submetido um pedido para que os 50 km marcha femininos façam parte do programa olímpico.

"É muito positivo que a IAAF tenha submetido ao Comité Olímpico Internacional um pedido para que seja posta a possibilidade de haver uma prova de 50 km marcha femininos, estabelecendo assim um regime de paridade relativamente ao que já acontece no âmbito da participação masculina", disse José Manuel Constantino.

O presidente do COP observou que a inclusão dos 50 km marcha femininos no programa olímpico abre "boas perspetivas" para Portugal, tendo em consideração os resultados que a atleta Inês Henriques tem alcançado nessa disciplina.

Os 50 km marcha masculinos já existem nos Jogos Olímpicos, mas a vertente feminina ainda não. A IAAF ouviu várias marchadoras, entre elas a portuguesa Inês Henriques, primeira campeã europeia e mundial, e a solicitação oficial seguiu para o Comité Olímpico Internacional (COI), que decidirá se aceita, ou não, incluir a disciplina no programa de atletismo dos Jogos.

A prova feminina de 50 km marcha foi, pela primeira vez, incluída nos Mundiais de atletismo de 2017, em Londres, e a marchadora portuguesa conquistou a medalha de ouro e estabeleceu um novo recorde do mundo, com o tempo de 4:05.56 horas.

A dois anos de distância de Tóquio2020, o presidente do COP disse ainda que é "prematuro" fazer uma análise às possibilidades portuguesas nos Jogos Olímpicos, mas garantiu que "a preparação está a correr normalmente" e que existe uma "expectativa positiva quanto ao número de modalidades, atletas e resultados" que poderão ser alcançados.

A informação mais vista

+ Em Foco

O ministro dos Negócios Estrangeiros considera, em entrevista à Antena 1, que Portugal tem a vantagem de não ter movimentos populistas organizados.

    Segundo um relatório da Amnistia Internacional, o número de mulheres vítimas de violência doméstica em Portugal continua elevado.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.