Eurosurf: Portugueses continuam em `grande`

| Outras Modalidades

Carol Henriques a 'dropar' mais uma onda na Noruega
|

Quando faltam dois dias para o Eurosurf 2017 terminar, Portugal segue destacado na liderança da prova. A seleção nacional confirmou esta sexta-feira a presença na final principal de todas as categorias, contando com duas atletas na final de surf feminino e três lusos na final de surf open.

Após mais um dia de descanso forçado, devido aos fortes ventos e intensa precipitação, a seleção portuguesa regressou esta sexta-feira à praia de Bore, na cidade de Stavanger, na Noruega, para disputar as meias-finais de surfopenefeminino do quadro principal do Eurosurf 2017.

Nos dias anteriores, JoãoDantas, no longboard, Daniel Fonseca, no bodyboard open, e Teresa Padrela, no bodyboard feminino, tinham já assegurado a presença portuguesa na final principal das respetivas categorias.

Carol Henrique e Mafalda Lopes foram as primeiras atletas portuguesas a competir, disputando juntas uma das meias-finais do quadro principa lde surf feminino. Carol esteve implacável, dominandoo heat do início ao fim, e alcançando o primeiro lugar e respetiva qualificação de forma natural.  Já Mafalda Lopes, ainda com idade júnior, enfrentaria mais dificuldades para levar de vencida a germânica Lilly von Treuenfels. Contudo, após dificuldades iniciais de adaptação ao forte vento e ao mar desordenado,a surfista nacional conseguiria pontuar em duas excelentes ondas, assegurando o segundo lugar e a presença na final principal da categoria.

Ficaram reservados para o final do dia os dois heats mais aguardados da competição até ao momento, com a disputa das meias-finais do quadro principal da categoria de surf open. Portugal enfrentou a ronda com quatro atletas, com Tomás Fernandes e Eduardo Fernandes na primeira meia-final e Pedro Henrique e Guilherme Fonseca na segunda. Eduardo Fernandes realizou a sua melhor prestação na competição, dominando por completo o heat e assegurando o primeiro lugar e a presença na final. Tomás Fernandes, pelo contrário, teve dificuldadesem adaptar-se ao estado do mar, passando grande parte do heat na terceira posição, atrás do italiano Angelo Bonomelli. Mas uma excelente manobra a apenas vinte segundos do final viraria a classificação, valendo-lhe o segundo lugar e a presença na final, para gáudio da comitiva portuguesa presente na praia de Bore.

A segunda meia-final foi também disputada até ao último segundo, com Guilherme Fonseca, Pedro Henrique e o galês Jay Quinn a realizarem excelentes prestações,alcançando todos uma pontuação acima de dez pontos. O português Guilherme Fonseca conseguiria assegurar o primeiro lugar, com uma excelente onda a um minuto do final. Já Pedro Henrique, que esteve na liderança grande parte do tempo,acabou por ver a qualificação fugir-lhe a poucos segundos do fim, com Quinn a surpreender o português com uma vistosa manobra.

No final do dia, David Raimundo, selecionador nacional, estava visivelmente satisfeito: "Ao fimde sete dias de prova, Portugal passou para a liderança isolada deste Eurosurf. Foi um dia longoe mais uma vez com muita chuva, muito vento e com o mar bastante desordenado. O dia só não foi perfeito porque não conseguimos colocar os 4 atletas de surf open na final principal” O selecionador destacou ainda a importância de manter a concentração até ao final da competição:“Faltam dois dias de prova e continuamos focados em ser campeões europeus".

Tópicos:

Eurosurf; surf; FPS,

Pesquise por: Eurosurf; surf; FPS,

A informação mais vista

+ Em Foco

No Telejornal, Bernardo Pires de Lima comentou a decisão da Casa Branca sobre Jerusalém, agora reconhecida como a capital de Israel.

A Coreia do Norte continua a desafiar o mundo com testes de mísseis balísticos e armas nucleares.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.