Inês Henriques entra com processo para inclusão dos 50 km marcha nos Europeus

| Outras Modalidades

|

A atleta portuguesa Inês Henriques, campeã mundial dos 50km marcha, entrou com um processo no tribunal da Associação Europeia de Atletismo (AEA) com vista à inclusão da prova nos Europeus de atletismo do próximo ano.

Em declarações à agência Lusa, Inês Henriques, que é recordista mundial da distância (4:05.56 horas), explicou que a decisão foi tomada depois de, no final de outubro, ter sabido pelo presidente da AEA, Svein Arne, que a prova não fazia parte do calendário dos Europeus, a disputar em Berlim.

"Tendo em conta que, provavelmente, vão ser os meus últimos Europeus queria ter a oportunidade de participar na prova e lutar pelas medalhas", afirmou a atleta, de 37 anos.

Inês Henriques explicou que lhe foi dito uma das razões para a não inclusão da prova no calendário foi o facto de já estarem fechados vários acordos ao nível das transmissões televisivas.

A atleta portuguesa classifica esta decisão como um "retrocesso no direito pela igualdade de oportunidades" e admite que esta decisão pode ter efeitos na inclusão da prova nos Jogos Olímpicos Tóquio2020.

"Se nós queremos lutar para estar nos Jogos Olímpicos é muito importante estarmos nos Europeus", afirmou a atleta, acrescentando: "Precisamos de mais mulheres a fazer os 50 quilómetros marcha".

Inês Henriques, que conta com o apoio da atleta espanhola Maria Dolores Marcos Valero e do advogado norte-americano Paul Demeester, garante que tem todo o apoio da Federação Portuguesa de Atletismo e acredita que o seu processo deverá ter uma resposta no prazo de duas semanas.

A Associação Internacional das Federações de atletismo (IAAF) inclui pela primeira vez a prova nos Mundiais de 2017 disputados em Londres.

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.