Inês Henriques entra com processo para inclusão dos 50 km marcha nos Europeus

| Outras Modalidades

|

A atleta portuguesa Inês Henriques, campeã mundial dos 50km marcha, entrou com um processo no tribunal da Associação Europeia de Atletismo (AEA) com vista à inclusão da prova nos Europeus de atletismo do próximo ano.

Em declarações à agência Lusa, Inês Henriques, que é recordista mundial da distância (4:05.56 horas), explicou que a decisão foi tomada depois de, no final de outubro, ter sabido pelo presidente da AEA, Svein Arne, que a prova não fazia parte do calendário dos Europeus, a disputar em Berlim.

"Tendo em conta que, provavelmente, vão ser os meus últimos Europeus queria ter a oportunidade de participar na prova e lutar pelas medalhas", afirmou a atleta, de 37 anos.

Inês Henriques explicou que lhe foi dito uma das razões para a não inclusão da prova no calendário foi o facto de já estarem fechados vários acordos ao nível das transmissões televisivas.

A atleta portuguesa classifica esta decisão como um "retrocesso no direito pela igualdade de oportunidades" e admite que esta decisão pode ter efeitos na inclusão da prova nos Jogos Olímpicos Tóquio2020.

"Se nós queremos lutar para estar nos Jogos Olímpicos é muito importante estarmos nos Europeus", afirmou a atleta, acrescentando: "Precisamos de mais mulheres a fazer os 50 quilómetros marcha".

Inês Henriques, que conta com o apoio da atleta espanhola Maria Dolores Marcos Valero e do advogado norte-americano Paul Demeester, garante que tem todo o apoio da Federação Portuguesa de Atletismo e acredita que o seu processo deverá ter uma resposta no prazo de duas semanas.

A Associação Internacional das Federações de atletismo (IAAF) inclui pela primeira vez a prova nos Mundiais de 2017 disputados em Londres.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.