Mário Gomes confiante na qualificação para o Eurobasket

por Lusa
Markus Spiske on Unsplash

O selecionador português de basquetebol, Mário Gomes, reforçou hoje a confiança na qualificação para o Eurobasket de 2025, cuja qualificação arranca na quinta-feira frente a Israel, em Odivelas, a contar para o Grupo A.

“O responsável por se ter traçado este objetivo fui eu. Ninguém traça objetivos se não acreditar que os vai conseguir alcançar. Agora, para um objetivo ser efetivamente um objetivo, não basta dizer que queremos isso. Temos de traçar um caminho e percorrer esse caminho. Ao longo desse caminho, a confiança que tinha nessa altura, de que era uma meta que podemos e temos condições para alcançar, foi-se reforçando”, realçou.

Portugal procura uma quarta presença no campeonato europeu de basquetebol, após os feitos de 1951, 2007 e 2011, tendo para isso de concluir nas três primeiras posições – em quatro – num agrupamento que conta também com Eslovénia, Ucrânia e Israel.

“Antes de começar esta janela, vim para aqui com toda a confiança e, depois dos três dias de treino, a equipa mostrou-me que está pronta para jogar, pela forma de treinar. A confiança que trazia aumentou. Tenho toda a confiança de que nós vamos conseguir. Sabemos que é muito difícil e ninguém nos vai dar nada, mas temos de ter objetivos. As coisas nem sempre correm como queremos, mas não podemos desistir dos nossos objetivos e esta equipa tem-se mantido fiel a esse princípio”, sublinhou Mário Gomes.

A dupla jornada de qualificação arranca frente a Israel e Ucrânia, duas seleções com a preparação algo afetada pela situação dos dois países, mas o selecionador considerou que se encontram “em igualdade de circunstâncias”, analisando Israel, que “joga junto há muito tempo”, com jogadores e treinador bicampeões europeus no escalão sub-20.

“Eles gostam de jogar em campo aberto. O primeiro objetivo é pô-los a jogar em meio-campo. São fortes no contra-ataque e não tão fortes na preparação defensiva. Quando não tivermos situações claras para tentar concretizar em campo aberto, teremos de os moer na defesa, atacar com paciência, disciplina tática, organização e selecionar bem os lançamentos”, apontou, embora pretenda que a seleção se foque mais nela própria.

Sem poder contar com Neemias Queta, mas com as novidades na convocatória Rúben Prey e André Cruz, Mário Gomes afirmou que a receção a Israel, apesar de importante, não tem ainda um caráter decisivo, esperando-se o pavilhão cheio no apoio a Portugal.

“Obviamente que é importante e jogar em casa tem de ser uma vantagem. Como não é possível andar nisto sem objetivos, também não é possível competir sem ter pressão. Espero que o ambiente e o apoio do público sejam uma vantagem para nós. Pedimos que apoiem a equipa em todos os momentos, especialmente quando as coisas possam tremer um bocadinho. O que temos para dar é o nosso máximo, para tentar ganhar e dar uma alegria a toda a gente que aqui estiver”, apelou ainda o selecionador nacional.

Portugal e Israel defrontam-se na quinta-feira, a partir das 19:15, na primeira ronda do Grupo A de qualificação para o Eurobasket de 2025, no Pavilhão Multiusos de Odivelas. No domingo, Portugal medirá forças com a Ucrânia na Arena Riga, na Letónia, às 19:00.
pub