Miguel Oliveira quer nova vitória no Mundial de Moto2

| Outras Modalidades

Legenda da Imagem
|

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) garantiu hoje que vai lutar por uma vitória no Grande Prémio da Catalunha, sétima prova do Mundial de motociclismo, depois de ter conseguido a primeira vitória na competição, há duas semanas.

"Em Mugello conseguimos a vitória pela qual tínhamos vindo a lutar desde o início da temporada, por isso seria muito bom conseguir a segunda vitória em Barcelona. Algo importante para nós será dar um passo em frente na sessão de qualificação, para tentar evitar arriscar tanto no domingo", disse o piloto, em declarações à sua assessoria de imprensa.

Miguel Oliveira, que em 03 de junho venceu o Grande Prémio de Itália, garante estar preparado para lutar pelo triunfo no próximo domingo e mostrou-se satisfeito com os testes que tem realizado.

"Com a base que temos dos dias de testes em Barcelona e Mugello, estamos preparados para o conseguir. Já testámos com as mudanças do traçado por isso, em teoria, não encontraremos nada de novo. O asfalto tem uma aderência muito boa e quase nenhuns ressaltos, por isso vai ser certamente um fim de semana muito interessante", afirmou.

Depois da vitória em Mugello, Miguel Oliveira, que na próxima época vai competir no MotoGP, manteve o segundo posto do Mundial de Moto2 com 98 pontos, mas reduziu para apenas 13 pontos a sua desvantagem para o comandante, o italiano Francesco Bagnaia (Kalex).


A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.