Paris2024: Seleção portuguesa masculina qualifica-se no ténis de mesa

por RTP
O português João Geraldo em ação em Busan Reuters

A seleção portuguesa masculina qualificou-se hoje para o torneio por equipas de ténis de mesa dos Jogos Olímpicos Paris2024, ao vencer a Croácia, por 3-1, nos oitavos de final do Mundial.

Ao vencer a Croácia, 13.ª seleção do ranking mundial, em Busan, na Coreia do Sul, Portugal, sétimo, assegurou a quarta presença consecutiva nas provas por equipas em Jogos Olímpicos, garantindo igualmente duas vagas para o torneio individual.

Nas três participações anteriores, Portugal tem como melhor classificação o quinto lugar coletivo conseguido em Londres2012, resultado repetido, a nível individual, por Marcos Freitas no Rio2016.

Frente à Croácia, que tinha afastado o Brasil na ronda de acesso aos quartos de final, Marcos Freitas (19.º do mundo) manteve o registo 100% vitorioso no Mundial por equipas, ao vencer Andrej Gacina (59.º), por 3-0 (11-4, 11-7 e 11-5).

Tiago Apolónia (49.º) deu o segundo ponto a Portugal, ao bater Filip Zeljko (124.º), por 3-0 (11-9, 11-8 e 11-4), antes de João Geraldo (41.º do mundo) perder com Tomislav Pucar (48.º), por 3-0 (14-12, 11-8 e 11-5).

Marcos Freitas voltou à mesa para garantir o apuramento para Portugal, ao vencer Filip Zeljko, por 3-0, com os parciais de 11-3, 11-9 e 11-4.

Com cinco vitórias em outros tantos encontros em Busan, Portugal vai agora defrontar a França, quarta do ranking, que afastou a Polónia, 19.ª, por 3-0.

Décima modalidade

Com o  apuramento no ténis de mesa, Portugal assegurou a competição em dez modalidades nos próximos Jogoso Olímpicos. Para já, 34 atletas têm presença assegurada em Paris2024, dias depois de Pedro Buaró, no salto com vara, ter elevado para sete o número de ‘apurados’ no atletismo, embora, nesta modalidade, com o ranking a dar 50% das vagas e as restantes a serem ocupadas por atletas com mínimos, só em 30 de junho de 2024 se saberá a lista definitiva de apurados.

Samuel Barata e Susana Godinho (maratona) Auriol Dongmo (lançamento do peso), Isaac Nader (1.500 metros), João Coelho (400 metros) e Ana Cabecinha (20 quilómetros marcha) são os outros atletas com mínimos olímpicos.

Ainda no início de fevereiro, a nadadora Angélica André tinha aumentado para cinco os apurados na natação, juntando-se a Diogo Ribeiro, campeão mundial dos 50 e 100 metros mariposa, que já conseguiu mínimos nos 50 e 100 metros livres e nos 100 metros mariposa, João Costa (100 metros costas), Camila Rebelo (200 metros costas) e Miguel Nascimento (50 metros livres).

No início de janeiro, o dressage garantiu uma quota coletiva, pelo que Portugal levará três cavaleiros a Paris2024, que participarão tanto na competição de equipas, como na prova individual, ‘caindo’ a vaga individual conquistada por Maria Caetano nessa disciplina.

Além desta equipa, a Missão portuguesa também estará presente no concurso de obstáculos dos Jogos Olímpicos, graças à vaga assegurada para o país por Duarte Seabra.

A ginástica de trampolins garantiu a presença na capital francesa, depois de Pedro Ferreira e Gabriel Albuquerque terem alcançado a final de trampolim individual masculino dos Campeonatos do Mundo de ginástica.

Apesar de estar representado por dois ginastas na final em Birmingham, em Inglaterra, Portugal teve apenas direito a uma quota para os Jogos Paris2024, uma vez que os oito finalistas dos concursos masculino e feminino asseguravam um lugar para o país, com a limitação de uma vaga por nação.

Já na ginástica artística, Filipa Martins conquistou uma vaga, graças ao 27.º lugar na qualificação e apuramento para a final do ‘All-Around’ no Campeonato do Mundo de Antuérpia, na Bélgica.

A ginasta assegurou uma das 14 vagas individuais para o ‘All-Around’, depois de contabilizadas as quotas para as equipas.

Com o sexto lugar no contrarrelógio dos últimos Mundiais, Nelson Oliveira já tinha garantido uma vaga para as cores lusas nessa especialidade, com o ranking a atribuir outras duas quotas na prova de fundo e mais uma no 'crono', sendo que os dois ciclistas terão de ser os mesmos nas duas provas.

Portugal, 12.º do ranking masculino, repete assim os dois ciclistas de Tóquio2020, ainda por definir pelo selecionador, voltando a ter uma ciclista na prova de fundo feminina, algo que não acontecia desde Atlanta1996.

Portugal tem presença já certa também na canoagem, surf, vela e tiro com armas de caça.

No final de setembro, Maria Inês Barros selou um lugar para a equipa lusa, ao sagrar-se campeã europeia de tiro com armas de caça (trap), em Osijek, na Croácia, dias depois de Teresa Portela ter assegurado uma das três vagas na canoagem, em K1 500 metros, depois do oitavo lugar na final dos Mundiais de Duisburgo, na Alemanha.

O K1 500 foi a terceira embarcação a garantir o apuramento para os Jogos Olímpicos Paris2024, depois do K1 1.000, com a prata de Fernando Pimenta na mesma competição, e do K2 500, pelos campeões mundiais João Ribeiro e Messias Baptista.

Graças ao ranking da World Surf League, Teresa Bonvalot sabe que vai estar pela segunda edição consecutiva na prova de surf nos Jogos Olímpicos, que vai ser disputada na Polinésia Francesa.

Na vela, Diogo Costa e Carolina João foram os primeiros a assegurarem uma quota para Portugal, em 470, nos Mundiais de Haia, onde Eduardo Marques também assegurou uma vaga em ILCA 7.

Vasileia Karachilou, grega que compete por Portugal ao abrigo de uma licença especial da World Sailing, também conquistou uma vaga em ILCA 6, mas o Comité Olímpico Grego já disse que não autorizava a participação da velejadora por Portugal, com a quota a dever, assim, passar para outra nação.

(Com Lusa)
pub