Rafael Reis vence prólogo e é o primeiro líder

| Outras Modalidades

O português Rafael Reis (Caja Rural) venceu hoje o prólogo do Grande Prémio Internacional de Torres Vedras -- Troféu Joaquim Agostinho, impondo-se no contrarrelógio de oito quilómetros disputado no Turcifal, para ser o primeiro líder da prova.

Na abertura da 41.ª edição, Rafael Reis, vice-campeão nacional de `crono` em 2017, completou o percurso 10.33 minutos, a uma média de 45,498 km/hora, enquanto José Neves (W52-FC Porto) foi segundo classificado, a três segundos, e o seu colega australiano Nicholas Schultz o terceiro, com mais 10.

Rafael Reis, que repete o triunfo alcançado no Turcifal em 2016, conseguiu a sua primeira vitória pela Caja Rural, equipa ao serviço da qual cumpre a sua segunda época.

"Espero poder contribuir com mais vitórias para a equipa. Vestir a camisola amarela neste prólogo era um dos principais objetivos, agora vou tentar defender-me da melhor maneira, embora os adversários estejam muito fortes, porque a Volta a Portugal está perto, mas eu tenho-me preparado bem e espero conseguir defender a liderança", afirmou Rafael Reis.

O espanhol Gustavo Veloso (W52-FC Porto) e o português Joni Brandão (Sporting-Tavira), dois dos principais candidatos ao triunfo na corrida da região oeste e também da Volta a Portugal, fizeram os quarto e quinto tempos, respetivamente, gastando mais 12 e 13 segundos do que o vencedor.

João Benta (Rádio Popular-Boavista) foi sexto, a 17 segundos, e o espanhol Alejandro Marque (Sporting-Tavira) concluiu no sétimo lugar, a 18 segundos.

Na sexta-feira, a primeira etapa sai da Adega Cooperativa da Ventosa, Torres Vedras, e termina no Sobral de Monte Agraço, numa ligação de 162 quilómetros de perfil maioritariamente plano e propício a uma chegada ao `sprint`.

 

 

Tópicos:

Adega Cooperativa Ventosa, Aledro, Sobral, Turcifal,

Pesquise por: Adega Cooperativa Ventosa, Aledro, Sobral, Turcifal,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.