Sock surpreende Cilic para estrear-se a vencer nas ATP Finals

| Outras Modalidades

|

O tenista norte-americano Jack Sock somou a primeira vitória nas ATP Finals, ao derrotar o croata Marin Cilic, e manteve intacta a esperança de apurar-se para as meias-finais em Londres.

As surpresas continuam a suceder-se na O2 Arena de Londres: hoje, o nono tenista mundial recuperou de um 'set' de desvantagem e de um 'break' abaixo no derradeiro parcial para bater o quinto cabeça de série por 5-7, 6-2 e 7-6 (7-4), em duas horas e 29 minutos.

Último a qualificar-se para o Masters, graças ao triunfo no Masters 1000 de Paris, Sock demonstrou estar com a confiança em alta, ignorando o favoritismo do finalista da última edição de Wimbledon para conquistar a sua primeira vitória no ano de estreia na competição.

"Adoro jogar aqui, diante dos meus fãs, sinto-me como em casa", desabafou o norte-americano.

Num encontro do grupo Boris Becker, que juntou os dois jogadores que tinham perdido na primeira jornada, o nono tenista mundial ganhou o duelo de servidores com a ajuda da sua forte direita.

Com a vitória a decidir-se nos detalhes, Cilic conseguiu um providencial 'break' no 12.º jogo do primeiro 'set' para conquistá-lo. No entanto, Sock soube reagir, dominando o segundo parcial, depois de quebrar o serviço do croata nos primeiro e quinto jogos.

No terceiro 'set', o quinto tenista do 'ranking' adiantou-se para 3-0, mas permitiu que o estreante no Masters recuperasse e levasse a decisão para 'tie-break', que Sock venceu por 7-4.

Com a derrota de hoje, Cilic tem o apuramento para as meias-finais das ATP Finals praticamente hipotecado, podendo já hoje ficar arredado da próxima fase, caso o suíço Roger Federer vença o alemão Alexander Zverev.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.