Rali de Portugal foi o mais visto no Mundial de 2016

| Rali de Portugal

|

O Rali de Portugal de 2016 teve um impacto na economia de 129 milhões de euros e foi a prova de maior audiência televisiva no campeonato do mundo, divulgou hoje Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Clube de Portugal.

O dirigente revelou esta informação na apresentação do Estudo de Impacto Económico da prova em 2016, citando dados fornecidos pela Federação Internacional do Automóvel (FIA), para sublinhar o crescimento do rali.

"O Rali de Portugal foi o mais visto de todas as 14 provas do campeonato do mundo, em termos televisivos. Só temos a Finlândia perto de nós. Todas as outras provas estão mais afastadas", disse o líder do ACP.

Segundo dados divulgados nesta sessão, a edição de 2016 teve um impacto económico total de 129 milhões para o país, valor que contribuiu para uma acumulado de 898 milhões de euros nas últimas nove edições do rali.

Carlos Barbosa, presidente do ACP, considera que o aumento deste impacto económico, que se verifica desde 2015, é indissociável do regresso do Rali de Portugal para zona norte do país.

"Foi uma aposta ganha. Efetivamente é no Norte onde o rali tem de estar, não só porque aí estão as melhores classificativas do campeonato do mundo, como estão os melhores fãs, assim como as condições de segurança de excelência", notou o dirigente.

Carlos Barbosa espera que a fasquia dos 129 milhões de euros de impacto económico possa ainda ser ultrapassada na edição de 2017.

"Este ano teremos um rali muito disputado, porque prevejo um campeonato muito equilibrado e excitante. Teremos mais pessoas ver-nos, o que é bom para o Estado e para toda esta região Norte que tão bem nos recebe", afirmou.

A convicção foi também partilhada por Melchior Moreira, presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal, que considerou que tem havido "um simbiose perfeita entre os objetivos desportivos do ACP e as ambições turísticas e económicas da região norte".

"É uma honra dizer que o maior evento desportivo e turístico realizado em Portugal, depois do Euro 2004, é o Rali de Portugal. A aposta em transferir do Algarve para o Norte a prova tem sido um sucesso com um aumento de impacto económico, desde 2015, de 18%", disse Melchior Moreira.

A prova continuará a ser alvo de uma candidatura a fundos europeus, e Freire de Sousa, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), entidade que avalia o processo, falou em "em boa utilização dos dinheiros públicos".

"Trata-se de um evento que produziu cerca de 129 milhões de euros, com 67,6 milhões de impacto direto, e que custou aos dinheiros públicos, através de um programa comunitário que o financiou, cerca de um milhão de euros. De um milhão se fizeram 129", notou Freire de Sousa.

A avaliação do impacto económico do Rali de Portugal foi efetuada por uma equipa de investigadores da Universidade do Algarve, chefiada pelo docente Fernando Perna.

O estudo englobou questionários efetuados a uma amostra de 1.100 espetadores do rali, na edição de 2016, e produziu a conclusão de que 57% dos espetadores são não residentes em Portugal, oriundos de 14 nacionalidades, sendo que a maioria vem de Espanha.

Desses visitantes, mais de um quarto ficaram em Portugal para além da prova, atraídos por fatores como a paisagem, clima, hospitalidade e gastronomia, revelando uma vontade de regressar superior a 70%.

Sobre o aspeto desportivo do rali, os visitantes destacaram espetacularidade, segurança do público, organização e cuidados ambientais.

Já sobre a distribuição económica dos gastos dos espetadores durante o rali, as quantias mais significativas foram despendidas para alimentação/bebidas, alojamento, e transportes internos.

De destacar ainda que, através de impostos como IVA e ISP (Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos), o estado arrecadou durante o período que abrangente a prova uma receita fiscal de 24 milhões de euros.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, O antigo ministro das Finanças denuncia que as regras do concurso não foram cumpridas.

Em entrevista à editora de Política da Antena 1, o dirigente do Sindicado Independente dos Médicos estima que Campos Fernandes tem pouca força para se impor a Centeno.

Os deputados à Assembleia da República aprovaram esta sexta-feira, por unanimidade, um voto de saudação a Salvador e Luísa Sobral pela vitória no Festival da Eurovisão, em Kiev.

O responsável pelo arranjo da música que venceu o festival da Eurovisão é de Coimbra. Luís Figueiredo é pianista, compositor de jazz e docente na Universidade de Aveiro.