Éder fora dos escolhidos de Fernando Santos

| Seleção Nacional

Fernando Santos divulgou os jogadores para os próximos compromissos da seleção
|

O selecionador português de futebol, Fernando Santos, divulgou ao início da tarde a lista de convocados para o duelo com a Letónia, de qualificação para o Mundial2018, e para a participação na Taça das Confederações, que vai decorrer na Rússia.

O anúncio decorreu na Cidade do Futebol, em Oeiras.

Eis a lista de convocados:

Guarda-redes: Rui Patrício, Beto e José Sá;

Defesas: Cédric, Nelson Semedo, Pepe, José Fonte, Bruno Alves, Luís Neto, Eliseu e Raphael Guerreiro;

Médios: Danilo Pereira, Adrien, João Mário, William Carvalho, João Moutinho, Pizzi e André Gomes:

Avançados: Cristiano Ronaldo, Nani, Quaresma. Bernardo Silva, André Silva e Gelson Martins.

Entre as ausências destaque para o avançado Éder (herói do Euro2016), Renato Sanches e o guarda-redes Anthony Lopes (motivos pessoais)

Portugal tem um particular agendado para o dia 3 de junho com o Chipre, no Estoril, e, no dia 9, defronta a Letónia, em Riga, em jogo do Grupo B de apuramento para o Campeonato do Mundo de 2018.

Após o duelo com letões, a seleção nacional vai começar a preparar a participação da Taça das Confederações, prova que vai disputar pela primeira vez devido ao estatuto de campeão europeu.

Portugal vai discutir o Grupo A, juntamente com Rússia, México e Nova Zelândia.

A formação comandada por Fernando Santos estreia-se perante o México, no dia 18 de junho, em Kazan, e depois defronta a Rússia a 21, em Moscovo, e a Nova Zelândia a 24, em São Petersburgo.

A Taça das Confederações, prova que serve de teste para Campeonato do Mundo, vai decorrer em solo russo, de 17 de junho a 2 de julho.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.