Santos desvaloriza críticas ao vídeo-árbitro e diz que "perfeito, só Deus"

| Taça das Confederações

Legenda da Imagem
|

O selecionador português, Fernando Santos, confia que o sistema do vídeo-árbitro poderá ser melhorado no futuro e considerou que, na Taça das Confederações de futebol, não vale mais a pena discutir a nova tecnologia.

"Não vale a pena falar mais sobre como podia ser ou deve ser. É assim como está e temos que aceitar. Depois da competição, os próprios responsáveis irão de certeza avaliar. Nada é perfeito, só Deus. O futuro dirá se haverá alterações. Tenho a certeza que as pessoas responsáveis vão tomar as melhores decisões", afirmou Fernando Santos.

O selecionador português falava aos jornalistas na Arena Otkrytie, em Moscovo, na conferência de imprensa de antevisão do encontro de quarta-feira com a Rússia, da segunda jornada do grupo A da Taça das Confederações.

Pepe também abordou o vídeo-árbitro, que na primeira jornada levou, por exemplo, à anulação de um golo a Portugal, considerando que o novo sistema "veio para ajudar" o futebol.

"Nós jogadores temos que pensar que isto veio para ajudar. Veio beneficiar o futebol. Temos que dar o seu crédito e temos que apoiar", disse o defesa-central.

O Portugal-Rússia está marcado para as 18:00 locais (16:00 de Lisboa) e terá arbitragem do italiano Gianluca Rocchi.

 

 

Tópicos:

Deus, Taça,

Pesquise por: Deus, Taça,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Por que razão não voltou o Homem ao satélite natural da Terra desde a década de 70 do século XX? Uma das explicações pode estar na poeira que cobre a superfície da Lua.