Olhanense aposta num bom espetáculo frente ao Benfica

| Taça de Portugal

Os adeptos do Olhanense terão de deixar a "sua" casa para apoiar a equipa
|

O presidente do clube algarvio, Isidoro Sousa, expressou na Antena 1 o desejo de que o jogo Olhanense-Benfica para a Taça de Portugal seja um bom espetáculo e uma verdadeira festa do futebol.

Olhanense e Benfica jogam este sábado, a partir das 19h00, no Estádio Algarve, em jogo da terceira eliminatória da Taça.

Isidoro Sousa mostra-se consciente de que não será fácil enfrentar uma equipa que é tetracampeã e adiantou: “Nós temos as nossas limitações e tentaremos fazer o melhor. Que seja um bom espetáculo com ‘fair-play’”.

Apesar das diferenças entre as duas equipas o dirigente do clube algarvio, em declarações ao jornalista Nuno Matos, garantiu: “Vamos tentar fazer o melhor resultado. Era importante para o Olhanense passar esta eliminatória. Contamos com a galvanização dos nossos jogadores”.



Sobre o apoio que a equipa poderá ter no Estádio Algarve, casa emprestada do Olhanense neste jogo, o presidente do clube mostrou-se resignado e fez um apelo aos adeptos: “Não é fácil mudar de casa, os nossos sócios gostariam que a equipa jogasse no Estádio José Arcanjo mas a verdade é que a receita no Estádio Algarve será superior. Apelo aos sócios e adptos para apoiarem a equipa”.

A propósito do atual estado das duas equipas, um Benfica em crise e um Olhanense em alta no campeonato de Portugal, Isidoro Sousa opta por ser realista ao afirmar: “A crise no Benfica é falsa e passageira e o Olhanense mesmo a jogar bem ainda está a uma longa distância do nosso adversário”.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.