Olhanense aposta num bom espetáculo frente ao Benfica

| Taça de Portugal

Os adeptos do Olhanense terão de deixar a "sua" casa para apoiar a equipa
|

O presidente do clube algarvio, Isidoro Sousa, expressou na Antena 1 o desejo de que o jogo Olhanense-Benfica para a Taça de Portugal seja um bom espetáculo e uma verdadeira festa do futebol.

Olhanense e Benfica jogam este sábado, a partir das 19h00, no Estádio Algarve, em jogo da terceira eliminatória da Taça.

Isidoro Sousa mostra-se consciente de que não será fácil enfrentar uma equipa que é tetracampeã e adiantou: “Nós temos as nossas limitações e tentaremos fazer o melhor. Que seja um bom espetáculo com ‘fair-play’”.

Apesar das diferenças entre as duas equipas o dirigente do clube algarvio, em declarações ao jornalista Nuno Matos, garantiu: “Vamos tentar fazer o melhor resultado. Era importante para o Olhanense passar esta eliminatória. Contamos com a galvanização dos nossos jogadores”.



Sobre o apoio que a equipa poderá ter no Estádio Algarve, casa emprestada do Olhanense neste jogo, o presidente do clube mostrou-se resignado e fez um apelo aos adeptos: “Não é fácil mudar de casa, os nossos sócios gostariam que a equipa jogasse no Estádio José Arcanjo mas a verdade é que a receita no Estádio Algarve será superior. Apelo aos sócios e adptos para apoiarem a equipa”.

A propósito do atual estado das duas equipas, um Benfica em crise e um Olhanense em alta no campeonato de Portugal, Isidoro Sousa opta por ser realista ao afirmar: “A crise no Benfica é falsa e passageira e o Olhanense mesmo a jogar bem ainda está a uma longa distância do nosso adversário”.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam cerca de 200 mil hectares.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

      Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.