Federer reentra no "top três" e João Sousa desce

| Ténis

Federer voltou a subir no "ranking" mundial de ténis
|

O tenista suíço Roger Federer, que no domingo conquistou pela oitava vez na sua carreira o torneio de Wimbledon, subiu ao terceiro lugar do "ranking" mundial, enquanto o português João Sousa voltou a cair.

Numa lista que continua a ser liderada pelo britânico Andy Murray, Federer ganhou dois lugares e regressou ao "top 3", enquanto o seu compatriota Stan Wawrinka caiu para quinto.

Nos 10 primeiros, destaque ainda para as subidas do austríaco Dominic Thiem e do japonês Kei Nishikori, que passaram a ocupar os sétimo e oitavo postos, respetivamente, enquanto o canadiano Milos Raonic caiu para o nono.

O búlgaro Grigor Dimitrov ganhou uma posição e passou a fechar o "top 10", que já não conta com o francês Jo-Wilfried Tsonga, agora 12º.

Sousa, que foi eliminado na ronda inaugural do torneio britânico, terceiro "Grand Slam" do ano, pelo alemão Dustin Brown (97º da hierarquia), perdeu um lugar e passou a ocupar o 63º posto.

Gastão Elias, o número dois português, deu um trambolhão no "ranking" e passou a ocupar a posição 139, tendo perdido 24 lugares. Pedro Sousa subiu três e segue no 150º posto.

Karolina Pliskova lidera "ranking" mundial


No "ranking" feminino, como já era esperado, a checa Karolina Pliskova passou a número um, tornando-se na 23ª jogadora a liderar a WTA e a primeira do seu país.

Em Wimbledon, apesar de ter sido eliminada na segunda ronda, Pliskova beneficiou da derrota da romena Simona Halep, número dois mundial, para alcançar a liderança da hierarquia.

A ascensão da checa ao primeiro lugar acaba com o reinado da alemã Angelique Kerber, que passou 34 semanas não consecutivas no primeiro lugar.

Michelle de Brito, que falhou a entrada no quadro principal de Wimbledon, saiu do top 200 e caiu para o 317º posto. A portuguesa perdeu 34 posições.


A informação mais vista

+ Em Foco

"Governar Portugal", sustentou o novo líder social-democrata no discurso de encerramento do 37.º Congresso do PSD, passa por "ter as pessoas como centro e razão da ação".

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.