Gastão Elias na segunda ronda do `challenger` de Santiago

| Ténis

|

O tenista português Gastão Elias manteve-se esta terça-feira firme na sua missão de garantir o acesso direto ao Open da Austrália, ao vencer o espanhol Jaume Munar em dois ‘sets’, na primeira ronda do ‘challenger’ de Santiago.

O número dois nacional, que defende o estatuto de quarto cabeça de série do torneio chileno, impôs-se ao 215.º jogador mundial, com os parciais de 7-6 (7-5) e 6-0, em uma hora e 39 minutos.

Elias começou mal, sofrendo o ‘break’ logo no primeiro jogo do encontro da primeira ronda, mas encadeou cinco jogos consecutivos para ficar a liderar por 5-2. Contudo, quando servia para fechar, com 5-3 no marcador, o jovem espanhol quebrou-lhe o serviço, empurrando a decisão para o ‘tie-break’.

‘Especialista’ em ‘tie-breaks’, o jogador luso conquistou o parcial ao primeiro ‘set point’ e embalou para um triunfo contundente no segundo ‘set’, quebrando o serviço de Munar em três ocasiões, para fechar com 6-0.

Elias, que esta semana subiu à 113.ª posição do ‘ranking’ ATP, continua a somar pontos para cumprir aquele que é o seu objetivo no final desta temporada: entrar diretamente no quadro principal do Open da Austrália, primeiro ‘Grand Slam’ de 2018.

Na próxima ronda, o número dois português vai defrontar o argentino Pedro Cachin, 300.º jogador mundial.

Tópicos:

Ténis, Gastão Elias,

Pesquise por: Ténis, Gastão Elias,

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.