Pedro Sousa sobe no "ranking" mundial

| Ténis

Pedro Sousa continua a subir no "ranking" mundial de ténis
|

O português Pedro Sousa ocupa o 152º lugar do "ranking" mundial de ténis, naquela que é a melhor posição de sempre do número três nacional, atrás de João Sousa, 57º, e Gastão Elias, 110º.

Pedro Sousa, que chegou aos quartos de final do Lisboa Belém Open, subiu dois lugares, João Sousa subiu três e Gastão Elias um, enquanto João Domingues caiu 19 posições, para o 19.º posto. Gonçalo Oliveira conquistou 15 lugares, ocupando agora o 294º posto.

No topo da hierarquia, liderada pelo escocês Andy Murray, seguido do espanhol Rafael Nadal e do suíço Stan Wawrinka, segundo e terceiro, respetivamente, a única alteração foi protagonizada pela saída do "top10" do alemão Alexander Zverev, a favor do francês Jo-Wilfried Tsonga, atual 10º.

Johanna Konta sobre


No "ranking" feminino, a britânica Johanna Konta subiu ao sétimo lugar, por troca com a dinamarquesa Caroline Wozniacki, apesar de ter perdido a final do torneio de Nottingham, frente à croata Donna Vekic, agora 5ª.

A alemã Angelique Kerber, a romena Simona Halep e a checa Karolina Pliskova continuam no pódio do circuito WTA, à frente da norte-americana Serena Williams, cuja quarta posição está agora mais ameaçada pela ucraniana Elina Svitolina, agora a apenas 45 pontos.

Michelle Larcher de Brito continua a ser a portuguesa mais bem cotada, no 294º lugar, apesar da queda de 31 posições.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.