Taça Davis: Portugal obrigado a ganhar os dois encontros de singulares

| Ténis

|

Portugal está hoje obrigado a ganhar os dois encontros de singulares da última jornada do 'play-off' com a Alemanha, a decorrer no Jamor (Oeiras), para alcançar a inédita subida ao Grupo Mundial da Taça Davis em ténis.

A perder por 2-1 com a congénere alemã, a seleção nacional tem obrigatoriamente que vencer os dois encontros de singulares do dia, que vão opor João Sousa a Jan-Lennard Struff e Pedro Sousa a Cedrik-Marcel Stebe.

O primeiro a entrar em ação no 'Centralito', o mais emblemático dos 'courts' de terra batida do complexo de ténis do Jamor (Oeiras), é João Sousa que, a partir das 11:00, inicia a batalha dos números um com Struff.

Em caso de derrota do vimaranense, a Alemanha garantirá de imediato a permanência no Grupo Mundial, que integra ininterruptamente desde 2005. Contudo, se o 57.º jogador mundial vencer, caberá a Pedro Sousa lutar pela inédita ascensão de Portugal ao escalão máximo da principal competição por equipas do ténis.

A estrear-se na condição de número dois nacional, o lisboeta, de 29 anos, é responsável pelo único ponto somado pela seleção lusa no 'play-off', graças ao triunfo sobre Struff no primeiro dia, e pode novamente desempenhar o papel de 'herói' diante de Stebe, o alemão que derrotou João Sousa na sexta-feira.

A seleção portuguesa, que pode fazer história para o ténis português, é capitaneada por Nuno Marques e composta por João Sousa (57.º), Pedro Sousa (107.º), Gastão Elias (148.º) e João Domingues (184.º).

A formação da Alemanha, que é orientada por Michael Kohlmann, é integrada por Jan-Lennard Struff (54.º), Cedrik-Marcel Stebe (90.º), Yannick Hanfmann (136.º) e Tim Puetz (380.º).

Esta é a segunda vez que Portugal disputa a ronda de acesso ao principal escalão da maior competição por seleções, depois de uma tentativa falhada em 1994, que terminou com derrota perante a Croácia (4-0), no Lawn Tennis Clube da Foz, no Porto.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.