Andebol. Sporting queixa-se de campanha difamatória

| Andebol

Legenda da Imagem
|

O Sporting Clube de Portugal reage com indignação à notícia, publicada esta terça-feira pelo Correio da Manhã, que aponta o clube leonino como estando envolvido num esquema de corrupção e compra de árbitros no campeonato de andebol na época 2016/2017.

Na página oficial do clube na internet, o Sporting afirma estar perante o primeiro capítulo de uma campanha - "mais uma", escreve - que visa exclusivamente denegrir a imagem da instituição Sporting Clube de Portugal, independentemente da modalidade.O clube de Alvalade manifesta-se disponível para colaborar em todas as diligências.

Nesta nota o clube diz também repudiar veemente as notícias, o modo como foram construídas e a intenção que lhes está associada. O clube afirma que não se revê em qualquer prática que desvirtue a verdade desportiva ou que sejam ética, moral e socialmente censuráveis.

O clube informa ainda desconhecer os intervenientes a que a notícia se refere e explica que é espantosa ”a quantidade de agentes e empresários que se atrevem a falar em público sobre o Sporting CP”. E promete agir judicialmente nas instâncias competentes.

Neste comunicado pode ainda ler-se que o Sporting não está em crise, não vai constituir qualquer "gabinete de crise" e que se sente um alvo a abater, visto ser “o único clube que, genuinamente, continua a lutar e a querer transparência e verdade desportiva em Portugal”.

Por fim, a nota deixa claro que o “Sporting CP confia na Justiça e no Estado de Direito e deseja que a alegada investigação anunciada pelo Ministério Público seja célere e que vá até às últimas consequências no apuramento da verdade”.

A informação mais vista

+ Em Foco

Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

    O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

      Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.

        Faltam seis meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. Dia 29 de março de 2019 é a data para o divórcio. A RTP agrega aqui uma série de reportagens sobre o que o Brexit pode significar.