Oliveirense volta a vencer FC Porto e fica a um triunfo do título de basquetebol

| Basquetebol

A Oliveirense somou hoje a segunda vitória frente ao FC Porto, por 94-83, no segundo jogo da final dos `play-offs` da Liga portuguesa de basquetebol, disputado em Oliveira de Azeméis.

Depois do triunfo por 83-70, no sábado, a formação de Norberto Alves, vencedora da fase regular do campeonato, com 27 vitórias e cinco derrotas, voltou a chegar ao intervalo em vantagem (45-41) e ficou a um triunfo de uma inédita conquista do título nacional.

Na época 2017/18, a Oliveirense somou o sétimo triunfo noutros tantos encontros com o conjunto comandado pelo espanhol Moncho López, seis para o campeonato e um para a Taça Hugo dos Santos.

O terceiro jogo da final, disputada à melhor de cinco, prossegue na próxima sexta-feira, no Dragão Caixa, no Porto, que, se for necessário, vai ser o palco do quarto encontro, dois dias depois. A possível `negra` está marcada para 20, na casa da Oliveirense.

Os `dragões`, que afastaram nas meias-finais o campeão em título Benfica, são o segundo clube com mais títulos nacionais (12), perdendo apenas para os `encarnados` (27), enquanto a Oliveirense persegue o primeiro cetro.

O conjunto aveirense perdeu as quatro finais que disputou, em 1996/97, face ao FC Porto, e em 2000/01, 2001/02 e 2002/03, todas frente à extinta Portugal Telecom.

Tópicos:

Azeméis Aveiro, Dragão, Oliveirense,

Pesquise por: Azeméis Aveiro, Dragão, Oliveirense,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.