Portugal perde na Bulgária e dificulta acesso à qualificação do Mundial de basquetebol

| Basquetebol

Portugal perdeu hoje com a Bulgária, por 91-65, no terceiro jogo do grupo D da pré-qualificação para o Mundial de basquetebol de 2019, e complicou a sua situação, deixando de depender de si próprio.

A seleção portuguesa fica a 'rezar' para que a Bielorrússia não derrote a Bulgária no próximo confronto, em jogo agendado para a próxima quarta-feira, em Minsk.
 
Em caso de derrota da Bielorrússia, Portugal ainda pode sonhar com o apuramento para a fase de qualificação, desde que vença por mais de três pontos a formação bielorrussa, com quem perdeu em Minsk por 78-75, em partida crucial agendada para o dia 19, em Coimbra.
 
Para quem precisava de vencer o jogo para apenas depender de si própria, a seleção lusa voltou a abordar muito mal o jogo, com deficiente circulação de bola no ataque e consequente fraca eficácia de lançamentos de campo, com especial incidência no 'tiro' exterior e nos lançamentos triplos - 6 em 22 (27,3%) para Portugal, contra 12/26 (46,2%) da Bulgária.
 
Por outro lado, no aspeto fundamental da luta das tabelas, a vantagem foi nitidamente dos búlgaros, que conquistaram 47 ressaltos, face a 28 dos portugueses.
 
E foi nas áreas mais próximas do cesto em que mais se destacou o extremo-poste búlgaro Vezenkov, que somou 21 pontos e oito ressaltos e foi o jogador mais valioso do embate.
 
Por Portugal, os mais eficazes foram o extremo Fábio Lima (16 pontos e cinco ressaltos) e o base Tomás Barroso, autor de 14 pontos e quatro assistências.
 
A Bulgária lidera o grupo, com seis pontos em três jogos, seguida da Bielorrússia, com três em pontos em duas partidas, enquanto Portugal fecha a classificação, também com três pontos, mas com três encontros. Os dois primeiros seguem para a fase de qualificação.

A informação mais vista

+ Em Foco

Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

    Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

    João Guerreiro, presidente da comissão que elaborou o relatório sobre Pedrógão Grande, enumera responsabilidades "momentâneas" e "estruturais".

    Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.