Rui Vitória vai dar minutos a jogadores menos utilizados e quer acabar "em beleza"

| Benfica

Vitória vai rodar a equipa
|

O treinador do Benfica, Rui Vitória, afirmou esta sexta-feira que, frente ao Boavista, vai dar minutos a jogadores menos utilizados e assumiu o desejo de terminar a atual edição da I Liga de futebol "em beleza".

"Vão entrar alguns jogadores que não têm vindo a jogar. Temos o objetivo de vencer o jogo, de fazer todo o grupo campeão nacional e ter o plantel na máxima força para a final da Taça de Portugal", disse Rui Vitória em declarações à BTV.

O técnico `encarnado` lembrou que o título de tetracampeão "pertence a muita gente" e não apenas aos 11 habituais titulares.

"Queremos acabar a I Liga em beleza contra uma boa equipa que fez um bom campeonato. Queremos ganhar e fazer uma boa exibição", referiu.

Questionado sobre se os festejos do tetracampeonato tiveram algum impacto na preparação para o jogo no Estádio do Bessa, Rui Vitória destacou o profissionalismo do plantel do Benfica.

"Foram momentos agradáveis, mas esta equipa sabe estar em todos os momentos. Quando é para brincar, é para brincar, quando é para trabalhar, é para trabalhar e quando é para competir, é para competir", frisou.

O Boavista-Benfica, da 34.ª e última jornada da I Liga, está agendado para sábado, às 20:30, no estádio do Bessa, e terá arbitragem de Nuno Almeida, da Associação de Futebol do Algarve.

 

Tópicos:

Boavista Benfica, Estádio,

Pesquise por: Boavista Benfica, Estádio,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam cerca de 200 mil hectares.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

      Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.