Abrantes Mendes reclama “eleições antecipadas”

| Futebol Nacional

Abrantes Mendes considera que o tempo de Bruno de Carvalho no Sporting acabou
|

O antigo dirigente do Sporting Clube de Portugal, Abrantes Mendes, na Antena 1, reclamou eleições antecipadas como forma de acabar com o “reinado” do atual presidente Bruno de Carvalho.

O carismático sportinguista recusou falar de casos de corrupção e outros fenómenos criminosos e limitou-se a afirmar: “Investigue-se aquilo que tem de se investigar e apurem-se responsabilidades. Até lá fico em silêncio”.

Recorde-se que na quarta-feira à tarde, na Academia de Alcochete, meia centena de indivíduos encapuzados invadiu o espaço e agrediu jogadores e treinadores, abalou a agremiação centenária.

Sobre a forma como o presidente classificou os incidentes em Alcochete, de “chatos”, o ex-dirigente referiu: “É mais uma infelicidade atroz que vem no seguimento de outras que mais uma vez fez uma triste rábula”.

Sobre o futuro imediato de Bruno de Carvalho reclamou: “O futuro dele acabou no Sporting. Vamos aguardar que se vá embora ou seja posto na rua. Cada vez que toma uma posição envergonha a nação leonina”.

Abrantes Mendes, em declarações ao jornalista Pedro Luiz Cid, foi mais longe: “O que aconteceu ontem (quarta-feira) é da responsabilidade dele, do conselho diretivo e dos órgãos sociais que sempre deram o benefício da dúvida a estes dislates do presidente”.



O antigo presidente da assembleia geral do clube alertou ainda para o facto de Bruno de Carvalho por vontade própria não sair de cena: “Voluntariamente não vai sair. Está agarrado ao poder como as lapas. Necessita do salário que aufere no Sporting, sem ele não tem emprego. Tentará ficar o mais tempo possível”.

Quanto ao futuro imediato o ex-candidato à presidência do clube de Alvalade avançou: “A melhor solução são eleições gerais antecipadas. Esta situação é insustentável e as pessoas devem abrir os olhos. A cumplicidade dos outros órgãos sociais faz deles corresponsáveis. Que mostrem que são homens”.

Sobre o próximo desafio desportivo que está no horizonte com a disputa da Taça de Portugal frente ao Aves, daqui a quatro dias, refletiu: “Gostaria que ganhássemos mas essa vitória não apaga nada disto. Importa não deixar morrer esta vergonha que atingiu a família leonina. A culpa não pode morrer solteira”, disse a finalizar.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.