Crise no Sporting tem múltiplas consequências

| Futebol Nacional

As consequências da crise no Sporting podem fazer-se sentir nos próximos tempos
|

A crise que se vive no Sporting, após a reação intempestiva do presidente Bruno de Carvalho à derrota (0-2) da equipa principal de futebol em Madrid frente ao Atlético, no jogo da primeira mão dos quartos de final a Liga Europa, tem consequências a vários níveis.

Críticas de Bruno de Carvalho à equipa de futebol após a derrota com o Atlético de Madrid (2-0), na primeira mão dos quartos de final da Liga Europa, motivaram uma reação do plantel e a abertura de duas dezenas de processos disciplinares, que entretanto foram retirados pela administração da SAD leonina.
Incompatibilidade entre marcas
O presidente da empresa Ivity Brand Corp, Carlos Coelho, considera que o clube de Alvalade vive uma crise provocada pela "incompatibilidade entre a marca Bruno de Carvalho e a marca clube", que se "encontram desalinhados", disse à agência Lusa.

De acordo com o publicitário, que falava antes de a SAD do Sporting anunciar que tinham sido retirados os processos disciplinares a futebolistas do plantel principal, "Bruno de Carvalho resolveu entrar em conflito com o próprio clube" e "a solução para a resolução deste problema passa pelo seu afastamento".

"Esta situação de incerteza tem um impacto negativo difícil de quantificar e vai muito além da suspensão das ações do clube em bolsa, do adiamento do financiamento e, eventualmente, de perdas ao nível dos patrocinadores", refere.

Carlos Coelho explica que "há ainda perdas que se revelam a outros níveis, pois um clube ou uma marca tem dois tipos de património, ou seja, o material, que se traduz pelos seus ativos, e o imaterial, que é tudo o que o liga às pessoas".

Para o fundador da Ivity Brand Corp, uma consultora internacional de criação, inovação e gestão de marcas, há duas formas possíveis para minimizar e conter os estragos provocados por esta situação de sobreposição da marca presidente à marca Sporting.

"Esconder a crise com resultados imediatos. Com o Sporting a ganhar. Isto acalmará a situação, mas não irá resolver, porque o desalinhamento está lá e do meu ponto de vista a solução passa, claramente, por substituir o presidente", diz Carlos Coelho.

O sucedido deu também lugar a uma crise institucional, depois de o presidente da Mesa da Assembleia Geral do clube, Jaime Marta Soares, ter afirmado que Bruno de Carvalho não tinha condições para continuar, antes de a Holdimo, maior acionista externo da SAD, ter solicitado uma AG para debater a situação interna.
Notoriedade e confiança
A instabilidade em Alvalade "retira força à marca Sporting" e afeta a sua notoriedade e confiança, disse à agência Lusa o diretor executivo da On Strategy, Pedro Tavares, comparando o clube a um sinistrado "com múltiplas fraturas".

"Quando se começa a falar em processos e rescisões com justa causa, a proteção legal da marca fica exposta, dado que existe uma componente ao nível da notoriedade, que, neste caso, é negativa. Em vez de ser uma construção positiva ela passa a ser negativa", explica o consultor, que falava antes de a SAD do Sporting ter retirado na quarta-feira os processos disciplinares visando futebolistas do plantel principal.

Na sua opinião, a componente confiança também é afetada, porque, se a marca (Sporting) é posta em causa, tudo o que envolve os investidores externos, nomeadamente patrocinadores e os próprios investidores institucionais e reguladores, passa a ter aqui uma grande questão sobre a segurança que nela depositam.

"Numa segunda dimensão também fica afetada a reputação, que engloba um conjunto de dimensões, sendo as mais relevantes no setor desportivo o talento, a performance, o governo e a liderança", referiu o diretor executivo da consultora multidisciplinar On Strategy.

O sucedido deu também lugar a uma crise institucional, depois de o presidente da Mesa da Assembleia Geral do clube, Jaime Marta Soares, ter afirmado que Bruno de Carvalho não tinha condições para continuar, antes de a Holdimo, maior acionista externo da SAD, ter solicitado uma AG para debater a situação interna.
Valor do plantel é imune à instabilidade
O agente de futebolistas Pedro Cordeiro acredita que o valor do plantel do Sporting está imune à crise no clube, considerando que a qualidade individual dos atletas se sobrepõe a fatores externos ao seu potencial.

"Muito honestamente, acho que o valor do plantel não mexe, pois os jogadores estão todos identificados. São internacionais. Em termos de desvalorização, por si só, julgo não existir. Devido ao que se tem passado podem é eventualmente querer sair no fim da época, mas isso são coisas distintas", disse.

Em declarações à Lusa, o empresário duvida mesmo de que o período conturbado que os “leões” têm vivido afete o rendimento dos profissionais do plantel principal, cujo valor de mercado, de acordo com o site especializado Transfermarkt, ascende a 197 milhões de euros.

"Pode baixar, mas também pode subir, para mostrarem que não foi uma situação justa. Cada mente é que vai ditar o comportamento individual. Quero crer que isto é até um motivo para maior união do plantel e jogadores. Ainda vai torná-los mais fortes para provarem que a situação foi anormal", reforçou.

Pedro Cordeiro defendeu ainda que "o futebol português - e não apenas o Sporting - precisa, acima de tudo, de serenidade e paz".





A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.