Ricciardi exige demissões urgentes no Sporting

| Futebol Nacional

O banqueiro e sócio do Sporting José Maria Ricciardi vê urgência na demissão dos actuais órgãos sociais leoninos
|

O banqueiro e sócio do Sporting José Maria Ricciardi defendeu ser "absolutamente fundamental" que a administração da SAD e a direção do Sporting "se demitam o mais rapidamente possível" para ultrapassar a atual situação.

"Os factos e a gravidade de tudo a que temos assistido (...) leva-me a dizer que é absolutamente fundamental que tanto o conselho de administração da SAD como a direção do Sporting se demitam o mais rapidamente possível", disse José Maria Ricciardi, em entrevista à SIC Notícias, considerando que a convocação de uma Assembleia Geral é insuscetível de ultrapassar o atual momento do clube.

Para o banqueiro e antigo apoiante do atual presidente do Sporting, que falava na sequência das agressões a futebolistas do Sporting registadas na terça-feira na Academia de Alcochete, se Bruno de Carvalho não tomar a iniciativa de se afastar, devem ser os restantes membros da direção a fazê-lo "por sportinguismo".

"Quem pode resolver esta situação rapidamente são os próprios membros da direção, demitindo-se e eu acho que eles o devem fazer por sportinguismo" e porque, disse, "se houver problemas muito graves patrimoniais no Sporting não responderão por eles, só o presidente" -- "e eu espero que eles tenham isso em consideração", vincou.

José Maria Ricciardi alertou ainda para a atual situação "extremamente perigosa" para o futuro do Sporting do ponto de vista reputacional e patrimonial, nomeadamente a possibilidade de no atual contexto alguns jogadores decidirem rescindir os seus contratos com o clube, podendo afetar os cofres do Sporting em "não menos de 100 milhões de euros".

Comissão de gestão pode ser solução provisória
Para José Maria Ricciardi, uma das soluções para a atual situação poderá ser a nomeação de "uma comissão de gestão que vá preparando as eleições e possa assegurar a resolução desta situação, que é muito grave".

Relativamente à possibilidade de ser candidato à presidência do Sporting, o banqueiro afirmou: "Não sei se serei ou não, não é esse o meu projeto de vida, mas também não dizer perentoriamente que não serei (...). Nessa altura (de eleições) tomarei uma decisão. Mas desde já digo que acho pouco provável ser candidato (...). Irei refletir sobre essa possibilidade e irei refletir quem é o melhor candidato".
Juiz começa a ouvir suspeitos
Na terça-feira, cerca de 50 pessoas, de cara tapada, alegadamente adeptos leoninos, invadiram a Academia de Alcochete e, depois de terem percorrido os relvados, chegaram ao balneário da equipa principal, agredindo vários jogadores, entre os quais Bas Dost, Acuña, Rui Patrício, William Carvalho, Battaglia e Misic, o treinador Jorge Jesus e outros membros da equipa técnica.

Na sequência da invasão à Academia, a GNR deteve 23 suspeitos, apreendeu cinco viaturas ligeiras, vários artigos relacionados com os crimes e recolheu depoimentos de 36 pessoas, entre jogadores, equipa técnica, funcionários e vigilantes ao serviço do clube.

Os detidos foram identificados e ficaram a conhecer os factos que lhe são imputados no tribunal do Barreiro e vão começar a ser ouvidos por um juiz de instrução criminal esta quinta-feira.

Na terça-feira, a equipa principal do Sporting deveria ter cumprido o primeiro treino da semana, depois da derrota no terreno do Marítimo (2-1), que relegou a equipa para o terceiro lugar da I Liga, iniciando a preparação para a final da Taça de Portugal, no domingo, frente ao Desportivo das Aves.

A informação mais vista

+ Em Foco

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

    Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

      O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

        Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.