Derlei espera resultado positivo do FC Porto no Mónaco

| Liga dos Campeões

Derlei confia numa boa prestação do FC Porto frente ao Mónaco esta terça-feira
|

O antigo jogador do FC Porto revelou na Antena 1 que um empate dos “dragões” no Mónaco não é um mau resultado.

FC Porto e Mónaco defrontam-se esta terça-feira, no Principado, a partir das 19h45, em jogo da segunda jornada do Grupo G, da fase de grupos da Liga dos Campeões.

O antigo avançado dos azuis e brancos integrava a equipa portista que em 2004 venceu o Mónaco por 3-0, na final da Liga dos Campeões, a 26 de maio, em Gelsenkirchen.

Treze anos depois Derlei, em declarações ao jornalista Nuno Matos, fez a antevisão do jogo desta noite nos seguintes termos: “O Mónaco é forte, o atual campeão francês, e em jogos da ‘Champions’ não se pode errar. O FC Porto precisa de recuperar da derrota na primeira jornada e um empate não será um mau resultado”.



Sobre o jogo, em si, o antigo dianteiro admitiu que poderá ser um jogo equilibrado e acrescentou: “O FC Porto irá sofrer uma grande pressão no início do jogo e a começar a segunda parte mas apesar desse assédio poderá fazer um bom resultado”.



Derlei debruçou-se ainda sobre a importância dos dois treinadores à frente das equipas.

Para o brasileiro Leonardo Jardim montou uma equipa do Mónaco à sua imagem e conhece-a como ninguém, com João Moutinho a pontificar no meio-campo.

A propósito de Sérgio Conceição reconheceu que já mostrou que é capaz de levar o FC Porto às vitórias e até ao momento tem feito um trabalho imaculado.

Na hora de recordar o confronto de 2004 entre as duas equipas Derlei lembrou o dia especial que os portistas viveram e classificou aquela equipa dos “dragões” como uma das melhores de sempre do clube.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O embaixador russo em Lisboa afirma, em entrevista à RTP, que as declarações e decisões de Donald Trump sobre Jerusalém podem incendiar todo o Médio Oriente.

    Rui Rosinha, bombeiro de Castanheira de Pêra, sofreu queimaduras de terceiro grau e esteve dez horas à espera de ser internado. Foi operado 14 vezes e regressou a casa ao fim de seis meses.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.