FC Porto tem uma `montanha` para subir rumo às meias-finais

| Liga dos Campeões

|

O FC Porto só chegou por três vezes às meias-finais da principal prova europeia de clubes e tem pela frente uma ‘montanha’ para conseguir, 15 anos depois, uma quarta, ao receber o Liverpool com dois golos de desvantagem.

Na terça-feira, em Anfield Road, os ‘dragões’ construíram várias oportunidades para marcar, mas ficaram a zero na primeira mão dos quartos de final da ‘Champions’, enquanto o Liverpool aproveitou duas das muitas que criou para vencer por 2-0.

O resultado não é definitivo, em termos de eliminatória, mas os golos do guineense Naby Keita, logo aos cinco minutos, com a ajuda de um desvio feliz em Óliver, e do brasileiro Roberto Firmino, aos 26, inclinaram muito a balança para os ingleses.

Se seriam favoritos em qualquer circunstância, mesmo numa eliminatória a um jogo só no Estádio do Dragão, podendo gerir dois golos e jogar em contra-ataque, com as ‘setas’ Firmino, Mané e Salah na frente, os ‘reds’ têm tudo a seu favor.

Finalistas vencidos na época passada, os comandados de Jürgen Klopp têm, ainda por cima, a lembrança feliz, e bem presente, da época passada, em que golearam no Dragão por 5-0, com três tentos de Mané, na primeira mão dos oitavos de final.

Vencer os ingleses por dois ou mais golos, seria um dos maiores feitos da história europeia do FC Porto, que apresenta mais títulos do que eliminatórias a duas mãos ultrapassadas face a ‘colossos’ do futebol europeu.

Deixar pelo caminho o Liverpool estaria ao nível das eliminatórias face ao FC Barcelona (3-1 em casa e 1-0 fora, em 1972/73), ao Manchester United (4-0 em casa e 2-5 fora, em 1977/78, e 2-1 em casa e 1-1 fora, em 2003/04), e ao AC Milan (0-0 em casa e 1-0 fora, em 1979/80).

Nessas ocasiões, os ‘dragões’ não entraram, porém, em desvantagem para a segunda mão e, desta vez, é preciso anular um 0-2, algo que, nas anteriores 56 participações europeias, os atuais campeões nacionais jamais conseguiram.

Em 14 vezes que começou eliminatórias com um desaire por mais de um golo de diferença, o FC Porto nunca conseguiu dar a volta, a última vez precisamente face aos ‘reds’, na época passada.

Os ‘azuis e brancos’ precisam de quebrar essa ‘maldição’ e também a dos confrontos com o Liverpool, que nunca venceram, em sete jogos, sendo em que casa, além do 0-5 da época passada, somaram dois empates, a zero em 2000/01 e a um em 2007/08.

Nos ‘quartos’ da ‘Champions’, em 15 jogos, o FC Porto venceu dois por dois golos de diferença, mas o 3-1 ao Bayern Munique, em 2014/15 (depois foi goleado na Alemanha por 6-1) agora não serve, enquanto o 2-0 ao Lyon, em 2003/2004 (depois 2-2 em França) atirava a eliminatória para prolongamento.

Os portistas chegaram a última vez às ‘meias’ precisamente à custa Lyon, repetindo 1986/87, quando conquistaram o primeiro título europeu, e 1993/94, época em que não conseguiram, depois, chegar à final (0-3 com o FC Barcelona, fora, num só jogo).

Na corrida por uma quarta presença no ‘top 4’, os ‘dragões’ têm, do seu lado, a ausência total de pressão, pois a responsabilidade está do lado dos ‘reds’, e o facto de terem a sua equipa quase na máxima força, situação similar à que vive o Liverpool, sendo nenhuma das equipas tem qualquer castigado.

Em relação à primeira mão, os ingleses recuperam o lateral esquerdo Robertson, enquanto Sérgio Conceição já pode contar com o central Pepe e o médio mexicano Herrera.

No fim de semana, os dois conjuntos venceram os seus jogos no campeonato, os ‘reds’ por 2-0 na receção ao Chelsea, com tentos de Mané e Salah, no domingo, e os portistas por 3-0 no reduto do Portimonense, com golos de Brahimi, Marega e Herrera, no sábado.

O encontro entre o FC Porto e o Liverpool, da segunda mão dos quartos de final da Liga dos Campeões, realiza-se na quarta-feira, pelas 20:00, no Estádio do Dragão, no Porto.

'Dragões' nunca sobreviveram a derrota por mais de um golo
O FC Porto jamais ultrapassou uma eliminatória das taças europeias de futebol depois de perder a primeira mão por mais de um golo, ‘maldição’ que vai tentar inverter na quinta-feira, à 15.º tentativa.

Em 14 vezes que abriram duelos a duas mãos com desaires por dois ou mais tentos, em casa ou fora, os ‘dragões’ acabaram sempre por cair, sendo este um cenário com o qual se deparam pela quarta época consecutiva.

Na terça-feira, em Liverpool, os comandados por Sérgio Conceição perderam por 2-0, por culpa de tentos na primeira parte de Keita e Roberto Firmino, em embate da primeira mão dos quartos de final da Liga dos Campeões.

O cenário é, assim, adverso, mas bem melhor do que o da temporada transata, face ao mesmo conjunto, nos oitavos de final: então, os ‘reds’ resolveram no Dragão, com uma goleada por 5-0, selada por Mané (três golos), Salah e Firmino.

Na segunda mão, em Anfield Road, registou-se um empate sem golos, com os ingleses sempre a controlar.

Em 2016/17, o FC Porto também começou os ‘oitavos’ em casa, perante a Juventus, e perdeu por 2-0, face aos tentos de ‘rajada’ de Pjaca e Dani Alves, na segunda parte, depois da prematura expulsão de Alex Telles, aos 27 minutos.

Em Turim, os ‘dragões’ não conseguiram inverter a eliminatória, somando nova derrota, agora por 1-0, num jogo resolvido pelo argentino Dybala, aos 42 minutos, de penálti, cometido por Maxi Pereira, que viu o vermelho direto.

Na época anterior, o FC Porto só foi terceiro no seu grupo da ‘Champions’ e caiu para a Liga Europa, prova em que não passou dos 16 avos de final, afastado pelo Borussia Dortmund, que, na primeira mão, venceu em casa por 2-0.

Piszczek e Reus, dois jogadores que continuam no conjunto germânico, selaram o desaire dos ‘dragões’, que, em casa, voltaram a perder, por 1-0, obra de um autogolo do guarda-redes espanhol Iker Casillas, aos 23 minutos.

Antes deste ciclo, o conjunto portuense já não tinha conseguido dar a volta a dois ou mais golos de desvantagem em 11 ocasiões, quatro delas pelo 0-2 que agora enfrenta, face a Nantes (1971/72), Hamburgo (1975/76), Standard Liège (1981/82) e FC Barcelona (1985/86).

Frente aos gauleses, empatou 1-1 fora depois de perder no seu reduto, com os alemães ganhou em casa na segunda mão por insuficientes 2-1 e, perante os belgas, não conseguiu melhor do que um empate a dois, também nas Antas.

Em 1985/86, os portistas empataram a eliminatória e ‘ameaçaram’ dar a volta ao FC Barcelona, mas os três golos do brasileiro Juary não foram suficientes, devido ao apontado pelo escocês Steve Archibald, num ‘amargo’ 3-1.

As outras equipas que afastaram o FC Porto após triunfos na primeira mão por dois ou mais golos foram Hannover (1965/66), Hibernian (67/68), AEK Atenas (78/9), Anderlecht (82/83), PSV Eindhoven (88/89), Tottenham (91/92) e Manchester United (96/97).

FC Porto 'aproveita' quatro receções a ingleses
O FC Porto qualifica-se quarta-feira para as meias-finais da Liga dos Campeões em futebol se repetir, na receção ao Liverpool, três dos 19 resultados que conseguiu na receção a conjuntos ingleses, sendo que um quarto forçaria o prolongamento.

O 4-1 ao Wolverhampton, em 1974/75, o 4-0 ao Manchester United, em 1977/78, e o mais recente 5-0 ao Leicester, em 2016/17, qualificariam agora os ‘dragões’, que, na terça-feira, perderam por 2-0 em Anfield Road, culpa de Keita e Firmino.

Caso replicasse o 2-0 ao Arsenal, em 2008/09, então o encontro decidir-se-ia num prolongamento, o que nunca sucedeu numa eliminatória entre o FC Porto e um clube inglês.

O primeiro resultado que agora serve aos ‘dragões’ aconteceu em 18 de setembro de 1974, dia em que, nas Antas, a equipa da casa venceu o Wolverhampton por 4-1, em encontro da primeira mão da primeira eliminatória da Taça UEFA de 1974/75.

Os comandados do brasileiro Aimoiré Moreira chegaram ao intervalo a vencer por 3-0, com um autogolo de John McAlle, logo aos três minutos, um tento do peruano Teófilo Cubillas, aos 37, e outro do brasileiro Flávio Fonseca, aos 41.

Na segunda metade, os ingleses ainda reduziram, por Mike Bailey, aos 63 minutos, mas, pouco depois, aos 69, Fernando Gomes recolocou a diferença em três golos. Em Inglaterra, o FC Porto perderia por ‘suficientes’ 3-1.

Três anos volvidos, na segunda ronda da Taça das Taças de 1977/78, o FC Porto conseguiu a sua mais emblemática vitória face a ingleses, ao ‘cilindrar’ nas Antas o Manchester United por quatro golos sem resposta.

O brasileiro José Leandro, vulgo Duda, foi a grande figura do ‘onze’ comandado por José Maria Pedroto, ao conseguir um ‘hat-trick’, com golos aos sete, 26 e 52 minutos, tendo António Oliveira fechado a goleada, aos 59.

Na segunda mão, em Old Trafford, os ‘dragões’ sofreram cinco golos, mas seguiram em frente, graças a um ‘bis’ de Seninho, que faturou aos 29 e 85 minutos.

Depois destes dois resultados, o FC Porto só logrou mais um triunfo caseiro com ingleses que viraria na quarta-feira o 0-2 de Anfield Road, quando, há duas épocas, goleou em casa o Leicester, surpreendente campeão inglês em 2015/16, por 5-0.

Os ‘dragões’ aproveitaram o facto de os ‘foxes’ já nada terem em jogo – haviam assegurado o triunfo no Grupo G, com quatro triunfos e um empate – para conseguirem a sua maior goleada face a conjuntos ingleses.

Em 07 de dezembro de 2016, André Silva, aos seis e 64 minutos, o segundo de penálti, o mexicano Corona, aos 26, o argelino Brahimi, aos 44, e Diogo Jota, aos 77, ‘castigaram’ um Leicester que se apresentou no Dragão com as ‘reservas’.

O 2-0 ao Arsenal, em 2008/09, que ‘atirava’ a eliminatória para 30 minutos extra, aconteceu também na sexta e última jornada da fase de grupos da ‘Champions’, mas então estava em jogo o primeiro posto do agrupamento.

Os ‘azuis e brancos’ partiram dois pontos atrás dos ‘gunners’, mas acabaram por conquistar o Grupo G, por um ponto, graças aos golos do central Bruno Alves, aos 39 minutos, e do avançado argentino Lisandro Lopez, aos 54.

Além destes quatro resultados, o FC Porto soma ainda mais outros tantos triunfos na receção a ingleses, para um total de oito, todos por 2-1, que agora não serviam, face a Manchester United (2003/04), Chelsea (04/05 e 15/16) e Arsenal (09/10).

Os ‘dragões’ contam ainda sete empates e quatro derrotas, a última na época passada, por 5-0, precisamente na receção ao Liverpool, que volta na quarta-feira.



A informação mais vista

+ Em Foco

Apesar de terem passado pouco mais de 24 horas desde a partida de Cabo Canaveral, no espaço os minutos para Neil, Edwin e Michael parecem horas.

    Ouvido pela RTP, o artista chinês mostra-se convicto de que Hong Kong e Macau não serão, no futuro, controlados pela China.

    Começa a legislatura do Parlamento Europeu saído das últimas eleições. Conheça aqui os eurodeputados portugueses e as suas prioridades.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.