Comité Olímpico e Governo discutem na sexta-feira contrato-programa para Tóquio2020

| Outras Modalidades

|

O Comité Olímpico de Portugal (COP) reúne-se na sexta-feira com a secretaria de Estado da Juventude e do Desporto para analisar a proposta de contrato-programa para os Jogos Olímpicos Tóquio2020, que prevê alterações na integração dos atletas.

O presidente do COP, José Manuel Constantino, explicou que em termos financeiros a proposta é superior à apresentada para os Jogos Rio2016, mas referiu que "mais importante que falar sobre dinheiro é analisar o modelo de preparação".

Segundo José Manuel Constantino, que falava à margem da assinatura de um protocolo de parceria com a Toyota, "a proposta prevê um modelo com duas dimensões de atletas: a elite e a top-elite", tendo em conta os objetivos dos atletas, e foi previamente discutida com as federações.

O presidente do COP considerou "positiva" a atribuição simultânea da organização de duas edições formalizada na quarta-feira pelo Comité Olímpico Internacional (COI).

"Foi a melhor opção e parece-me positiva, arruma a questão de quem organiza o quê e estabilizar a situação por mais tempo", referiu o presidente do COP, comentando a atribuição dos Jogos de 2024 a Paris e 2028 a Los Angeles.

Ao abrigo do protocolo hoje assinado com a marca nipónica, que também patrocina o COI, o COP irá usufruir de viaturas, serviços e um apoio financeiro.

De acordo com José Manuel Constantino, pela primeira vez, o protocolo com a marca automóvel, estende-se pela primeira vez a atletas, treinadores e ex-atletas.

A informação mais vista

+ Em Foco

O editor de Política Internacional da RTP, Ricardo Alexandre, comentou a sentença do antigo general sérvio-bósnio.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.