Sporting vai pedir audiência ao Governo por causa da violência no desporto

| Sporting

Legenda da Imagem
|

O presidente do Sporting disse hoje que vai pedir ao Governo uma audiência urgente para debater os casos de violência no desporto, em conferência de imprensa realizada na sequência de agressões no Dragão Caixa e no Estádio do Bessa.

"Vamos pedir uma audiência com urgência ao Governo e solicitar reuniões a todas as federações e ligas em que participamos para que estes casos não se repitam", disse Frederico Varandas, referindo-se às agressões verificadas no sábado no Dragão Caixa, por ocasião do jogo de hóquei em patins entre FC Porto e Sporting, e uma semana antes no recinto do Boavista, em jogo da I Liga de futebol.

O líder `leonino` confirmou que recebeu telefonemas a pedir desculpas por parte do presidente do FC Porto, Pinto da Costa, bem como dos líderes da SAD e do clube `axadrezados`, Álvaro Braga Júnior e Vítor Murta, respetivamente, mas considerou que estes pedidos de desculpas são insuficientes perante a gravidade dos factos.

 

Varandas diz que pedido de desculpa envergonhado não chega e que exemplo vem de cima

O presidente do Sporting disse que "um pedido de desculpas envergonhado" não é suficiente para fazer esquecer as agressões aos membros da direção dos ‘leões’ e frisou que o exemplo tem de vir de cima.


Na sequência da agressão por parte de um adepto do FC Porto ao diretor-geral das modalidades dos ‘leões’, Miguel Albuquerque, durante o jogo de hóquei em patins entre as duas equipas no passado sábado, e de um ato idêntico a um dirigente do Sporting na tribuna do Estádio da Bessa, num encontro da I Liga de futebol, com o Boavista, Frederico Varandas voltou a repudiar e pediu que os agressores sejam banidos.

“Isto não pode ser esquecido, ignorado e tolerado. As federações, a Liga, os conselhos de disciplina e a secretaria de Estado não podem fingir que isto não aconteceu. As leis, se existem, que haja coragem para aplicá-las", disse o presidente ‘leonino’, acrescentando: “Não chega um telefonema pessoal para o presidente a pedir desculpa, nem um pedido desculpa envergonhado em 'off'. O exemplo vem de cima.”

Em conferência de imprensa realizada no Auditório Artur Agostinho, em Alvalade, Frederico Varandas fez-se acompanhar pelos diretores das modalidades ‘leoninas’, mas, enquanto discursava e respondia às questões da comunicação social, apenas estava o vice-presidente Miguel Afonso.

Varandas insistiu para dizer que a culpa também pertence aos clubes, porque são responsáveis pela segurança nos recintos desportivos, e mostrou-se surpreendido pela ausência de uma declaração por parte do presidente da federação da patinagem.

“Os agressores têm de ser banidos, os dirigentes, se forem cúmplices, têm que ser expulsos e os clubes por organizarem os eventos têm de ser responsabilizados. O Estado tem de legislar e criar condições para que não se volte e repetir. O desporto não pode ser um território sem lei nem justiça. Isto merece uma resposta ao mais alto nível”, apelou.

De seguida, deixou a garantia de que, quer no Estádio José Alvalade quer no Pavilhão João Rocha, a segurança não será colocada em causa.

“Nesta casa, esta direção garante que todos os nossos rivais foram tratados em segurança e é assim que vai continuar a ser. O problema da violência é grave e envergonha este país, envergonha este país”, terminou.

 

Tópicos:

Dragão, Estádio, Júnior Vítor Murta,

Pesquise por: Dragão, Estádio, Júnior Vítor Murta,

A informação mais vista

+ Em Foco

Parece uma guitarra portuguesa, mas também se assemelha à elétrica. No fundo, o guitolão elétrico acaba por ser uma mistura dos dois instrumentos.

Um dia que ficará para a história. O dia em que um dos monumentos mais emblemáticos do Mundo foi apanhado pelo fogo.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.