Frederico Morais quer estar "mais forte" para voltar à elite mundial do surf

| Surf

|

O surfista português Frederico Morais terminou a época do circuito mundial em 23.º lugar, apenas uma posição abaixo do posto que lhe garantia a permanência entre a elite mundial, mas promete voltar à competição mais forte em 2019.

"Vou voltar, mais forte, mais concentrado, mais competitivo e, acima de tudo, mais feliz, porque esta foi a vida que escolhi e isto é o que me faz acordar", lançou hoje `Kikas` na sua conta na rede social Instagram.

O surfista português tinha chegado ao Billabong Pipe Masters, no Havai, a última etapa do ano do circuito mundial de surf, na 21.ª posição do `ranking` mundial, mas foi eliminado na segunda ronda (repescagem) da prova e foi ultrapassado pelo brasileiro Yago Dora e pelo francês Joan Duru, o que o obriga a voltar a correr o circuito de qualificação em 2019 para se tentar qualificar de novo para o circuito mundial de 2020.

Frederico Morais sofreu uma lesão no pé esquerdo durante um treino já no Havai, mas, mesmo assim, conseguiu recuperar a tempo de participar no Pipe Masters, a etapa rainha do campeonato do mundo de surf, e foi por muito pouco que não conseguiu qualificar-se para a ronda três - ao cair na saída de um tubo na mítica esquerda de Pipeline -, que lhe poderia valer a permanência no circuito mundial.

"Gostava mais se tivesse saído do tubo naquela última onda do ano... mas foi positivo", assinalou o único surfista luso que competiu no circuito mundial em 2018, depois de ter assegurado a qualificação há um ano, precisamente em águas havaianas.

O brasileiro Gabriel Medina venceu o Billabong Pipe Masters pela primeira vez na sua carreira, depois de já ter assegurado o título mundial de surf de 2018, ao alcançar a final da prova, sucedendo ao havaiano John John Florence (que esteve a maior parte do ano lesionado).

E o também brasileiro Jesse Mendes foi o vencedor da `Triple Crown` havaiana, competição que leva em conta as prestações nos dois eventos do circuito de qualificação (QS) de Haleiwa e de Sunset Beach e no campeonato do circuito mundial (CT) de Banzai Pipeline, que fecha o ano de competição no surf.

Nos primeiros cinco lugares do circuito principal da Liga Mundial de Surf (WSL) ficaram Gabriel Medina (62.490 pontos), o australiano Julian Wilson (57.585 pontos), os brasileiros Filipe Toledo (51.450 pontos) e Ítalo Ferreira (43.070 pontos) e o sul-africano Jordy Smith (36.440 pontos).

 

Tópicos:

Billabong Pipe Masters, Havai, Jordy Smith, Surf WSL Giel Medina, Toledo, Wilson,

Pesquise por: Billabong Pipe Masters, Havai, Jordy Smith, Surf WSL Giel Medina, Toledo, Wilson,

A informação mais vista

+ Em Foco

Francisco Veloso, reitor da Imperial College Business School, traça os cenários possíveis após a rejeição do acordo.

O presidente da Câmara dos Comuns é, digamos assim, o equivalente ao presidente da Assembleia da República em Portugal.

Neste Manual do Brexit, explicamos em 12 pontos o que está em causa e os cenários que se colocam.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.