Seleção já só pensa no jogo com a Rússia

| Taça das Confederações

A seleção de Portugal foi surpreendida mesmo no final do jogo
|

Após o empate com o México (2-2) na jornada inaugural do Grupo A, da Taça das Confederações em futebol, a seleção de Portugal começa esta segunda feira a preparar o jogo da próxima quarta feira com a Rússia.

Esta segunda feira de manhã a seleção portuguesa de futebol treina ainda em Kazan e viaja durante a tarde para Moscovo, onde na quarta-feira vai defrontar a Rússia na segunda jornada do Grupo A da Taça das Confederações.

Depois do empate (2-2) com o México na estreia, Portugal vai voltar a treinar no centro de estágios do Rubin Kazan, nos arredores da cidade, numa sessão que está agendada para as 9h00 hora de Lisboa e em que os primeiros 15 minutos serão abertos à comunicação social.

É esperado que o selecionador Fernando Santos poupe os jogadores que foram titulares domingo na Arena Kazan e trabalhe apenas com os que não foram utilizados perante os aztecas.

Às 14h30 de Lisboa, a comitiva lusa viaja para Moscovo, estando agendada a sua chegada à capital russa para as 16h00.

Para trás ficou o empate com a seleção mexicana e as palavras de rescaldo do selecionador nacional, Fernando Santos, que lamentou os primeiros 20 minutos da equipa nacional onde se cometeram alguns erros não deixando de dar mérito ao adversário.



Após o empate o capitão da seleção lusa, Cristiano Ronaldo, apelou à tranquilidade e disse acreditar no apuramento para as meias-finais. O avançado fez questão de afirmar que a equipa continua a acreditar no apuramento e indicou o campinho: "EStamos bem e tranquilos, agora é pensar no próximo jogo e ganhar".



O Rússia-Portugal está marcado para quarta-feira, às 16h00, na Arena Otkrytie.


A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, garantiu que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.