Bruno "sai na hora" se jogadores recuarem nas rescisões

| Sporting

Bruno Carvalho queixou-se do que considerou ser uma "estratégia de desgaste"
|

O presidente do Sporting confirmou que foram quatro - William Carvalho, Bruno Fernandes, Gelson Martins e Bas Dost - as cartas de rescisão de jogadores que esta segunda-feira deram entrada no clube. Para Bruno Carvalho, nenhuma tem fundamento para justa causa.

"Mais um dia difícil para a família sportinguista", referiu Bruno de Carvalho no início desta conferência de imprensa.

O presidente do Sporting reiterou que a atual direção não está "agarrada" aos cargos e que devem ser os sócios a tomar a iniciativa para haver uma assembleia de destituição.


Bruno Carvalho acusou a existência de uma "estratégia de desgaste". E afiançou que, se os atletas escreverem uma carta à SAD informando - os seis - que anulam as rescisões e regressam ao clube, a direção demite-se "na hora" e o próprio deixa a presidência do clube. No entanto, frisou Bruno de Carvalho, terão de ser efetivamente os seis jogadores que apresentaram as cartas de rescisão a enviar esse documento.

Os primeiros jogadores a bater com a porta foram Rui Patrício e Podence.

Desde as primeiras horas da tarde desta segunda-feira que eram conhecidas as rescisões de William Carvalho, Gelson Martins e Bruno Fernandes, cujas cartas foram transmitidas também à Federação Portuguesa de Futebol, à Liga de Clubes e ao Sindicato. Já durante a noite foi conhecida a rescisão unilateral do holandês Bas Dost.

Bruno Carvalho fez várias analogias entre as rescisões a um jogo de xadrez e falou num "xeque-mate" com as saídas em questão.

A conferência de imprensa terminou abruptamente quando adeptos no exterior tentaram entrar na sala. Ouviram-se gritos a exigir a demissão do presidente.

Tópicos:

Bruno de Carvalho, Conferência de imprensa, Presidente, Rescisões, Sporting, Sporting,

Pesquise por: Bruno de Carvalho, Conferência de imprensa, Presidente, Rescisões, Sporting, Sporting,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.