Curso de Cultura Geral (II)

Cláudio Torres , Ana Paula Tavares, Catarina Castel-Branco | 04 Fev, 2018 | Episódio 3

Partilhar este episódio
Posição Corrente: minutos e segundos
Ir para o Minuto:
Play - Curso de Cultura Geral

Curso de Cultura Geral (II)

Cláudio Torres , Ana Paula Tavares, Catarina Castel-Branco | 04 Fev, 2018 | Episódio 3

Quando me preparava para este programa e pensava sobre as escolhas, objectos, experiências de cultura dos convidados de hoje, fui ao atelier de Vieira da Silva com Catarina Castel Branco, à Primavera de Praga e a momentos de revolução com Cláudio Torres, conheci uma poeta angolana que viveu apenas 32 anos, Alda Lara de seu nome, pela mão de outra poeta angolana, Ana Paula Tavares. Pode ser que cultura seja isto: a possibilidade de aprender, aumentar o mundo, ir a lugares onde nunca estivemos e com os quais passamos a ter diálogo, relação. Este programa chama-se Curso de Cultura Geral e pretende ser um lugar onde todos partilham qualquer coisa que foi transformador nas suas vidas, partilham assuntos e obras de arte de que gostam de falar.
Os convidados de hoje: Cláudio Torres quis ser escultor, formou-se em História de Arte, viveu na Roménia, em Marrocos, em França, fixou-se em Mértola nos anos 80 e parece que viveu lá desde sempre; é o arqueólogo que mudou o modo como vemos a nossa relação com o Mediterrâneo.
Ana Paula Tavares é angolana, professora de literatura. No seu dicionário afectivo (para citar o título de um livro seu) estão o Cântico dos Cânticos, os poemas da oralidade, os poemas que domesticam a oralidade, figuras de referência. É historiadora.
Catarina Castel Branco viveu num reino de fantasia na infância, acreditou na Fada Oriana de Sophia, teve uma mãe que incentivou as filhas a pintar nas paredes e diz que ainda hoje escreve e pinta nas paredes.
Regressa à RTP2 o Curso de Cultura Geral, com autoria e apresentação de Anabela Mota Ribeiro. A estrutura do programa mantém-se: três convidados discutem sobre experiências de cultura, objectos, autores, obras de arte que foram importantes na sua construção pessoal. Nessa discussão interrogam a noção de cultura geral, os encontros, detonações, acasos felizes e férteis. São pessoas de diferentes áreas, faixas etárias variadas, duas brasileiras, uma russa, portugueses, que trazem para a esfera da conversa elementos tão singulares como as suas personalidades. De uns, vêm viagens, de outros a, a aventura de ler Grande Sertão: Veredas em voz alta, fala-se de obras de banda-desenhada, clássicos de Dostoievski e Tolstoi, feminismos de Virginia Woolf ou Chimamanda, experiências de carácter nacional, como passar pelo 25 de Abril durante a juventude.
Uma vez mais, a paridade de género foi tida em conta, mantendo o mesmo número de mulheres que o de homens na escolha dos convidados; e novamente há uma mistura de pessoas conhecidas do grande público e outras anónimas. A entrada neste Curso é livre e a aprendizagem e partilha de ideias são altamente encorajadas. Seja bem vindo!