Curso de Cultura Geral (II)

Sérgio Mah, Cláudia Varejão, Bárbara Reis | 11 Fev, 2018 | Episódio 4

Partilhar este episódio
Posição Corrente: minutos e segundos
Ir para o Minuto:
Play - Curso de Cultura Geral

Curso de Cultura Geral (II)

Sérgio Mah, Cláudia Varejão, Bárbara Reis | 11 Fev, 2018 | Episódio 4

Há títulos ou expressões de Flaubert a partir das quais podemos apresentar este programa. Por exemplo: A Educação Sentimental ou, o mais famoso, "Bovary c"est moi". As referências, obras de arte, percursos, encontros, experiências de cultura que são trazidas para o programa são um breve resumo, uma constelação do universo do entrevistado. São um modo de dizer: isto c"est moi. Não só isto, evidentemente. Mas um isto que corresponde a um agora. Amanhã as referências podem ser outras, há 20 anos eram outras. É Sérgio Mah que convoca dois livros de Flaubert. É professor universitário e curador. A fotografia é a sua área de investigação. Da educação sentimental de Cláudia Varejão, cineasta, fazem parte descrições minuciosas de movimentos, acções, da avó, do pai, a estranheza de ver Vale Abraão de Manoel de Oliveira com 13 anos. Não percebeu nada, sentiu tudo. Bárbara Reis não foi jornalista por causa de Kapuscinski, mas quando pensa em si como jornalista, quando pensa nas viagens, na observação, na compreensão da realidade, o repórter polaco está lá. Como estão Mandela ou Cícero. Regressa à RTP2 o Curso de Cultura Geral, com autoria e apresentação de Anabela Mota Ribeiro. A estrutura do programa mantém-se: três convidados discutem sobre experiências de cultura, objectos, autores, obras de arte que foram importantes na sua construção pessoal. Nessa discussão interrogam a noção de cultura geral, os encontros, detonações, acasos felizes e férteis. São pessoas de diferentes áreas, faixas etárias variadas, duas brasileiras, uma russa, portugueses, que trazem para a esfera da conversa elementos tão singulares como as suas personalidades. De uns, vêm viagens, de outros a, a aventura de ler Grande Sertão: Veredas em voz alta, fala-se de obras de banda-desenhada, clássicos de Dostoievski e Tolstoi, feminismos de Virginia Woolf ou Chimamanda, experiências de carácter nacional, como passar pelo 25 de Abril durante a juventude.
Uma vez mais, a paridade de género foi tida em conta, mantendo o mesmo número de mulheres que o de homens na escolha dos convidados; e novamente há uma mistura de pessoas conhecidas do grande público e outras anónimas. A entrada neste Curso é livre e a aprendizagem e partilha de ideias são altamente encorajadas. Seja bem vindo!